Lula comemora 30 anos de casamento em Pequim

O primeiro dia da visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à China foi marcado por uma agenda leve. Lula descansou do longo vôo do Brasil e iniciou a sua adaptação ao fuso horário (Pequim está 11 horas à frente de Brasília), comemorou os seus trinta anos de casamento com a primeira-dama Marisa e conheceu um dos principais marcos turísticos e históricos do país, o magnífico Palácio Imperial de Verão, nas cercanias da capital. O único compromisso formal do presidente ocorreu na inauguração do escritório da Petrobras em Pequim, na qual ele destacou a importância do estreitamento das relações comerciais entre o Brasil e a China, objetivo principal de sua viagem. Num coquetel da Petrobras, que reuniu cerca de duzentas pessoas, a maioria de integrantes da delegação brasileira, Lula fez o seu primeiro discurso oficial na China. Ele afirmou que a Petrobras é motivo de "orgulho" para o Brasil, tendo sido a base do desenvolvimento da indústria nacional. "A Petrobrás é um exemplo para empresas brasileiras de como se pode integrar o Brasl numa economia globalizada", disse Lula. Segundo ele, a estatal terá um papel central na maior aproximação comercial entre o Brasil e a China.Após permanecer toda a manhã no palácio Diao Yutai, onde está hospedado, Lula almoçou na churrascaria Beijing Brasil, inaugurada há dez anos numa parceria entre o grupo Sadia e o governo chinês. Durante o almoço, o presidente e a esposa Marisa Letícia comemoraram os trinta anos de seu casamento com um bolo especial para a ocasião. Uma placa de bronze em homenagem ao chefe de Estado brasileiro foi descerrada no local. Alguns integrantes da comitiva presidencial, entre eles o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan (que antes de assumir o cargo, presidia a Sadia) participaram do evento.Em seguida Lula, acompanhado da esposa, visitou o Palácio Imperial de Verão, sob um forte calor e sol. Apesar do palácio estar aberto para milhares de turistas, a assessoria da Presidência da República insistiu para que os jornalistas credenciados para a cobertura da visita presidencial se retirassem do local logo após o início da visita de Lula ao marco histórico. Após a inauguração do escritório da Petrobrás, no final da tarde, Lula participou de um jantar oferecido pela estatal. Mais uma vez, o presidente não conversou com a imprensa. A única entrevista coletiva para os jornalistas está prevista para ocorrer em Xangai, segunda e última etapa da visita presidencial à China.Na segunda-feira, Lula vai participar no final da manhã do seminário "Brasil-China: comércio e investimentos, perspectivas para o Século XXI", que deverá reunir centenas de empresários brasileiros e chineses. Em seguida, ele se reunirá com o presidente da China, Hu Jintao no Grande Palácio do Povo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.