Lula cobra de Mantega fim da guerra de grupos na Receita

Para presidente, ministro da Fazenda errou ao demitir Lina Vieira antes de encontrar substituto para o cargo

Vera Rosa, O Estadao de S.Paulo

29 de agosto de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, que não quer ver a Receita Federal "refém" de uma guerra entre grupos. Furioso com o tiroteio na direção da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, Lula cobrou de Mantega providências para pôr fim à batalha interna desencadeada após a demissão da ex-secretária da Receita Lina Vieira.Em conversa mantida com Mantega na semana passada, o presidente avaliou que Lina provou não estar à altura do cargo. Demitida em julho, a ex-mulher forte da Receita afirmou que Dilma pediu a ela, em dezembro, que agilizasse as investigações do Fisco sobre as empresas da família do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). A chefe da Casa Civil, pré-candidata do PT à sucessão de Lula, em 2010, não só nega o pedido como o encontro.Na avaliação de Lula, Mantega errou ao demitir Lina antes de encontrar um substituto para o cargo e, com essa atitude, acabou provocando uma crise sem precedentes. Sob a alegação de que a Receita não é mais imune às "ingerências e pressões de ordem política ou econômica", 12 superintendentes e coordenadores da instituição entregaram os cargos na segunda-feira. A rebelião se agravou ao longo da semana com outra leva de dispensas. Os demissionários fizeram questão de dar tom político à saída: solidarizaram-se a Lina e bateram na tecla de que a Receita abandonou a fiscalização sobre grandes contribuintes.Em conversas reservadas, Lula tem dito que a disputa de poder na Receita parece o confronto entre facções da Polícia Federal. Nos bastidores do governo, a PF é chamada de "ninho de cobra". Para o presidente, o problema começou em agosto de 2008, quando Mantega resolveu trocar Jorge Rachid - ligado ao ex-secretário da Receita Everardo Maciel - por Lina Vieira. Ela trabalhou com o senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) quando ele foi governador do Rio Grande do Norte (1995-2002) e assumiu o comando da Receita com o apoio de um grupo de oposição à atual diretoria da Unafisco, o sindicato nacional dos auditores fiscais.Lina caiu em desgraça depois de entrar em rota de colisão com a Petrobrás: denunciou a manobra contábil pela qual a estatal deixou de pagar R$ 1,18 bilhão em impostos. A notícia municiou a oposição, que conseguiu aprovar a CPI da Petrobrás no Congresso.Ao deixar a Receita, a ex-secretária disse a amigos que não aceitaria a pecha de incompetente. Auxiliares de Lula asseguram que ela atribuiu a demissão a Dilma, embora a palavra final tenha sido de Mantega.DEFESAEx-braço direito de Lina, o atual secretário da Receita, Otacílio Cartaxo, só ganhou o cargo após ter defendido o artifício usado pela Petrobrás, contrariando publicamente a posição de sua antecessora. Otacílio é considerado "independente" dentro da instituição.Na conversa com Mantega, Lula afirmou até hoje não saber por que motivo Rachid acabou "fritado". O ex-secretário foi nomeado para o posto pelo então ministro da Fazenda Antonio Palocci, hoje deputado do PT.Mantega e Palocci - ambos próximos a Lula - nunca se entenderam sobre rumos da economia. Palocci sempre foi da linha "monetarista", defensor de um ajuste fiscal rigoroso e a qualquer preço. Mantega integra o grupo dos chamados "desenvolvimentistas" da equipe, que pregam a ampliação do papel do Estado na economia.Apesar das críticas de Lula, o ministro da Fazenda nunca deixou de consultar o presidente antes de tomar decisões. Agiu assim, mais uma vez, quando quis substituir Rachid por Lina. Foi, na prática, uma das últimas mudanças feitas por ele na equipe de Palocci.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.