Lula cobra Congresso sobre orçamento, mas em tom amigável

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no seu programa semanal o Café com o Presidente, comentou um tom conciliador e não de cobrança em relação a demora na votação pelo Congresso Nacional do Orçamento da República para este ano. Ele disse que o governo adotou a decisão de enviar Medida Provisória para o Congresso, porque ele não conseguiu votar o Orçamento "e o governo não pode ficar parado". E arrematou: "O governo tem de administrar o País, portanto, nós fizemos uma medida provisória liberando dinheiro para que os ministérios possam funcionar. Afinal de contas, tem muita coisa em andamento no Brasil e nós precisamos de dinheiro para poder tocar as obras".Lula disse ainda sobre o envio da MP para Congresso: "Eu penso que é ruim para o Brasil, para o Congresso, para o governo quando se demora muito para votar o Orçamento. O Orçamento normalmente é mandado em agosto para o Congresso Nacional, que monta as comissões, e o discute".Segundo Lula, o ideal seria que o Orçamento fosse votado no próprio ano. "Já teve, me parece, três vezes que o Congresso não votou no mesmo ano, votou depois de março. E isso é ruim. É ruim porque você tem dificuldade de gerenciar a demanda e as necessidades do governo para poder tocar as obras e fazer os pagamentos".Lula disse ainda que tem outras preocupações com o Congresso, como a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. "A lei está lá há muito tempo, e é importante para os pequenos e médios empresários brasileiros. Nós temos o Fundeb que já foi aprovado na Câmara e está no Senado para ser votado e é muito importante porque coloca R$ 4,3 bilhões a mais nos próximos quatro anos para o ensino básico no Brasil".O presidente lembrou ainda a Super Receita que precisa ser votada também para que "se possa aprimorar o sistema de arrecadação no Brasil e unificar a Receita Federal com a Previdência Social".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.