Lula cobra coerência de países ricos

Em discurso na Confederação Espanhola de Organizações Empresariais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou ?coerência? dos países desenvolvidos em favor do livre comércio. Para uma platéia formada por investidores, Lula disse que não é mais possível aceitar uma posição ambígua dos mais favorecidos.?As sociedades de países como o Brasil já se deram conta de que o discurso dos países ricos em favor do livre comércio peca por defender a abertura de mercado dos países pobres, sem a necessária contrapartida?, destacou Lula ao lembrar que o protecionismo ocorre principalmente na agricultura e nos setores têxtil e siderúrgico.Ao lado do ministro da Fazenda, Antônio Palocci Filho, Lula foi muito aplaudido. ?Temos instado nossos parceiros a assumirem compromissos no sentido de remover o arsenal de medidas que distorcem o comércio internacional e negam aos países em desenvolvimento o fruto do seu trabalho?, comentou.Lula disse ainda que é com esse raciocínio que tem negociado a entrada do Brasil na Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e se empenhado pelo fortalecimento do Mercosul ? bloco de países formado por Brasil, Argentina Uruguai e Paraguai ? e das relações com a União Européia. ?Não podemos despediçar as oportunidades, mas tampouco devemos deixar de estar vigilantes frente ao perigo de perdermos autonomia para adotar políticas sociais?, concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.