Lula chama Chávez de pacificador;venezuelano questiona paz na AL

A OEA (Organização dos EstadosAmericanos) foi bem sucedida na mediação do recente conflitoentre Colômbia e Equador, mas o presidente da Venezuela, HugoChávez, ainda vê ameaças à paz na América do Sul. "Há poderosos interesses em desestabilizar nossa região,continuam as declarações e as provocações", disse Chávez nestaquinta-feira na sede do governo de Pernambuco, mencionandonotícias que falam do encontro de dirigentes de outros paísescom líderes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias daColômbia) e que vêm sendo desmentidas. Chávez disse que, depois da reunião da OEA na RepúblicaDominicana, falou três vezes com o presidente colombiano,Alvaro Uribe. "Manifestei a Uribe a preocupação de que continuam saindoessas coisas (notícias). Queremos a paz e é preciso esforçopara apagar essa chama que continua acesa", acrescentou Chávez,referindo-se ao que ele classifica como ameaças à paz nocontinente. Ao lado de Chávez, o presidente Luiz Inácio Lula da Silvadestacou o caráter histórico da declaração da OEA, que condenoua violação territorial do Equador pelas tropas colombianas noinício deste mês, em ação para enfrentar guerrilheiros dasFarc. "Pela primeira vez os Estados Unidos ficaram sozinhos,todos os outros países votaram pela mesma posição, e os EstadosUnidos não criaram problema", disse Lula, também na sede dogoverno pernambucano, acrescentando que isso pode parecerpouco, mas é um fato inédito entre os países que compõem a OEA. Lula destacou ainda o papel de Chávez na intermediação doconflito, chamando-o de "grande pacificador". "Durante vários dias as manchetes eram sobre guerra entreColômbia e Equador. E quem foi o grande pacificador? Exatamenteo presidente Chávez", disse Lula. "Por isso, a umex-guerrilheiro e hoje pacificador, dou meus parabéns". (Reportagem de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.