Lula buscou a pacificação no campo, diz ministro

Na reunião de ontem com o Movimento dos Sem-Terra (MST), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva buscou a pacificação no campo e também os mecanismos formais para fazer a reforma agrária dentro da lei. A avaliação é do ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues. "Toda a reunião se deu dentro do conceito fundamental de busca do entendimento para evitar a violência no campo", afirmou. Para o ministro, o uso do boné pelo presidente é um gesto amistoso. "Em todas as feiras agrícolas nas quais Lula tem ido comigo, ele coloca os bonés", acrescentou, lembrando que em menos de seis meses de governo Lula já visitou sete feiras agropecuárias. Para Rodrigues, colocar o boné foi um gesto de simpatia do presidente com o movimento. "Mas esse gesto, de nenhuma forma, representa tolerância para o que está à margem da lei. Rodrigues lembrou que Lula tem reiterado que quer fazer a reforma agrária no Brasil sob o império da lei e que não admitirá violência ou reforma feita "na marra". "E eu assumo isso como a mais pura verdade. Não se fará reforma agrária à margem da lei", afirmou o ministro. Ele lembrou que seu ministério trabalha, juntamente com representantes da iniciativa privada, para formalizar uma proposta "capitalista de reforma agrária", que ajude Lula e o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Rodrigues participou da abertura de seminário sobre a Lei de Bioterrorismo, que será implantada nos Estados Unidos a partir de 12 de dezembro. O evento é organizado pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e acontece no auditório do ministério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.