Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Lula brinca com hipertensão e diz que manterá inaugurações

Presidente afirma que vai 'inaugurar tanta obra esse ano que tem gente que vai ficar doida de raiva'

estadao.com.br,

03 de fevereiro de 2010 | 18h57

Em sua primeira viagem a trabalho após uma crise de hipertensão que o obrigou a cancelar uma ida ao Fórum Econômico Mundial, na semana passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou o discurso de inauguração de um gasoduto na Baixada Fluminense, nesta quarta-feira, 3, para brincar com o mal-estar e cutucar os partidos de oposição.

 

Veja Também

linkDilma: Gostaria de estar no palanque' com Ciro

 

"Esses dias eu tive um problema de pressão. Esse negócio de ser corintiano é uma desgraça, porque eu vi (o time) comprar tanto jogador, eu já vi três jogos do Corinthians e não vi o Corinthians deslanchar ainda", brincou, para depois admitir que viajou demais nas últimas semanas: "Estava com uma agenda um pouco carregada, fui pra recife, tive um problema de pressão alta, mas vou dizer pra vocês um negócio: se tem uma coisa que eu me orgulho é minha pressão, porque eu meço a pressão todo santo dia, e minha pressão é regularmente onze por sete todos os dias."

 

Segundo Lula, o problema gerou a expectativa de que ele diminuiria o ritmo. "Certamente que tem gente que fala 'agora o Lula não vai mais viajar, vai ficar sentadinho lá em Brasília. Bem feito'", discursou o presidente, que emendou um recado à oposição: "Quem espera que eu vá ficar sentado em Brasília pode tirar o cavalo da chuva, porque nós vamos inaugurar tanta obra esse ano que tem gente que vai ficar doida de raiva. Mas nós vamos."

 

Partidos da oposição acusam Lula e sua candidata à sucessão presidencial, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), de estarem em campanha antecipada.

 

Enchentes

 

Sem atacar diretamente adversários, o presidente também fez referência às enchentes que castigam o sudeste do País. São Paulo, estado governado pelo possível candidato do PSDB à presidência, sofre com as chuvas há 43 dias.

 

Lula destacou que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) será lançado para promover uma "grande reforma nos grandes centros urbanos, como o Rio de Janeiro e São Paulo".

 

"Precisamos dar um jeito nas favelas e nas enchentes", disse Lula, frisando por várias vezes que o primeiro PAC foi apenas de "reparação". "É a reparação da irresponsabilidade daqueles que governaram 20 ou 30 anos atrás e não estamos apenas falando de governos de direita, mas os de centro, e de esquerda também, Governos irresponsáveis, que permitiram a ocupação de áreas em beira de morro, de encosta, perto de esgoto e coisa e tal. O prefeito tem que ter a responsabilidade de ir lá e impedir a ocupação de uma área. Vimos o que está acontecendo em decorrência disso. Estamos reparando o acúmulo de desmandos dos últimos anos", disse Lula.

 

Gasoduto

 

Especificamente sobre a obra que estava inaugurando, o presidente destacou que o País tem intenção de ser autossuficiente em gás natural, principalmente por conta da segurança da geração de energia elétrica. "A prioridade número um da geração e do transporte de gás no Brasil é a energia elétrica do gás. É importante todo mundo saber disso: quem tiver indústria, carro ou piscina movida a gás, é bom saber que na primeira crise energética será cortado o gás para gerar energia", disse o presidente.

 

Ele também afirmou que, mesmo quando o Brasil conquistar a autossuficiência, não deverá deixar de importar o gás boliviano. "O papel de uma nação do tamanho enorme como é o Brasil é o de ajudar países menores", disse.

 

Dirigindo-se a José Sérgio Gabrielli, Lula disse: "A Petrobras está tão mão de vaca que eu vou denunciar você Gabrielli para o Tribunal de Contas da União", disse arrancando gargalhadas dos presentes, ao reclamar da falta de ventiladores e de água no evento, aludindo também às constantes investigações do TCU sobre as contas da estatal. Bastante suado, o presidente também brincou com a própria condição: "Eu deveria estar aqui parecendo um presidente e estou mais parecido com um pintinho que caiu dentro de uma caixa d´água".

 

Sobre a ministra Dilma, Lula relembrou os tempos em que ela ainda detinha a pasta de Minas e Energia, e sua dedicação para reformular o setor de energia. "Parecia que ela e a Graça (diretora de Gás e Energia da Petrobras) tinham brigado com seus maridos e namorados, porque varavam noites discutindo a reformulação do setor de energia no ministério", disse o presidente também levando o público às gargalhadas.

 

Com informações de Kelly Lima, da Agência Estado

Mais conteúdo sobre:
LulaDilmacampanhaeleicoes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.