Lula bate na oposição e diz que investe em saúde sem CPMF

Presidente diz que oposição ficou' feliz ' ao achar que não haveria investimentos, mas assegura que haverão

FORTALEZA

28 de fevereiro de 2008 | 18h45

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar a oposição na tarde desta quinta-feira, 28, em Fortaleza, onde participou da assinatura de ordens de serviço para obras de saneamento e reurbanização de favelas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).   Referindo-se aos Democratas (DEM) e ao "outro partido que vocês sabem qual é" (PSDB), Lula afirmou que, após derrubarem a cobrança da CPMF, "eles ficaram felizes" porque achavam que o governo não conseguiria concretizar investimentos de R$ 24 bilhões do PAC da Saúde para a colocação de médicos e dentistas nas escolas públicas.   "Eles ficarem felizes pensando que não íamos mais fazer isso, mas a partir de abril vamos começar a implantar médicos e dentistas nas escolas públicas", assegurou Lula em discurso para cerca de 5 mil pessoas no estádio municipal Bom Jardim, na periferia da capital cearense.   Bastante aplaudido, Lula disse que "não é habitual neste País se definir prioridades para a periferia" e acrescentou que também não é habitual um presidente, um governador e um prefeito visitarem juntos bairros da periferia. Ao lado do governador Cid Gomes (PSB) e da prefeita Luizianne Lins (PT), Lula elogiou os governadores do Nordeste, afirmando que eles representavam a melhor safra de dirigentes estaduais dos últimos tempos. "Do Piauí à Bahia, são todos companheiros comprometidos", ressaltou. "Saibam que não tenho preferência pelo Nordeste, mas preferência por quem mais precisa que é o Nordeste e também o Norte", acrescentou.     As ordens para obras de urbanização e saneamento assinadas por Lula destinam-se a quatro favelas com 4,5 mil moradores e totalizam R$ 59,1 milhões, dos quais R$ 45,1 milhões de recursos federais e o restante da prefeitura.   Com o governo estadual foram assinadas ordens para obras de saneamento e urbanização no montante de R$ 543 milhões , sendo R$ 393 milhões bancados pelo governo federal. De Fortaleza, o presidente seguiu para Aracaju (SE) para cumprir mais uma etapa de sua viagem ao Nordeste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.