Lula 'atropelou' o PT para indicar Dilma, diz FHC

Sem tomar partido sobre possíveis candidatos do PSDB, FHC salientou que Aécio tem de ser levado em conta

JAIR RATTNER, Agencia Estado

07 de maio de 2009 | 14h12

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou nesta quinta-feira, 7, que o PT foi "atropelado" pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na definição da candidatura à sua sucessão. Em entrevista concedida à Agência Estado, antes de participar da Conferência do Estoril sobre globalização, em Portugal, FHC exemplificou com o que ocorreu com o Partido Revolucionário Institucional (PRI), do México, vencedor da revolução de 1917 e que durante dezenas de anos foi hegemônico no país. "Não foi o PT quem decidiu o candidato. Foi o Lula que decidiu quem é o candidato. Nós voltamos a uma situação como no México, que é o destapar o tapado. Foi o presidente que atropelou o PT e colocou a Dilma (ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff) como candidata", afirmou.

Ainda nas críticas ao PT, FHC disse que falta uma mensagem política para o PT. "Num País como o nosso, com 100 milhões de eleitores, com partidos que não são muito organizados, a eleição depende muito da mensagem do candidato. Hoje, a mensagem do candidato do presidente Lula é o Lula". Ele considera que a popularidade do presidente Lula não é fundamental nas eleições de 2010. "É uma questão que vai depender da transferência (dessa popularidade). Depende também de saber se vai durar, o que está relacionado com a situação econômica. E, pelos dados que nós temos até hoje, não há transferência. Nas municipais não ajudou muito."

Fernando Henrique acredita que a definição dos candidatos para a Presidência só vai ocorrer a partir do começo de 2010. "Acho que o jogo político não está montado ainda, o povo ainda não está alerta para a eleição. Acho que a situação só vai ficar clara no ano que vem e vamos ver quais potenciais candidatos terão realmente uma mensagem para o País", afirmou.

Tucanos

Sem tomar um partido na disputa entre os governadores de São Paulo, José Serra e de Minas Gerais, Aécio Neves, FHC salientou que o governador mineiro tem de ser levado em conta. "Nós temos que entender que Minas tem uma reivindicação importante. Você não pode simplesmente dizer que vamos dispensar Minas. Não é só o Aécio, é Minas. Então tem que chegar a uma solução com o apoio efetivo de Minas e de São Paulo".

Questionado se acreditava numa chapa ''puro-sangue'' do PSDB (Serra e Aécio), respondeu: "Não é questão de acreditar. Temos de ver se é possível. Primeiro, não sei se interessa a um dos dois ser vice. Não sei se não existem mais vices que poderiam dar mais força. Não é uma coisa que assuste a mim. O Brasil está de tal maneira que as pessoas não vão votar por partidos, vão votar por pessoas. E o presidente Lula transformou mais ainda o jogo político brasileiro numa coisa personalista."

A respeito do apoio do PMDB, disputado pelo PT e pelo PSDB, Fernando Henrique explicou a discussão dentro desse partido. "O PMDB é um partido amplo, de enraizamento local e que vai ter que discutir muito as questões locais para poder ver com quem ele se alia. Além disso, o PMDB é um partido sensível às pressões do governo federal, até porque está muito entrosado. Não sei para qual dos dois desses polos ele vai pender mais fortemente", afirmou FHC. "Provavelmente, o que vai acontecer é o que acontece sempre: vai se dividir. Uma parte apoia um setor e outra parte apoia outro setor. Acho que a decisão vai ser em função de dois fatores: a força do governo federal, para oferecer mais, e os interesses eleitorais dos Estados, para saber que aliança é mais vantajosa", completou o ex-presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010FHCLulaDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.