Lula atribui fim de programas de saúde a quem votou contra CPMF

Ao lamentar mais uma vez o fimda CPMF, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva responsabilizouparcela do Senado pela interrupção de um programa que pretendialevar médicos e dentistas às escolas públicas do país. Segundo Lula, no PAC da saúde apresentado pelo ministroJosé Gomes Temporão no ano passado, com a previsão deinvestimento de mais 24 bilhões no setor, constava um programapara levar médicos e dentistas para as escolas públicas. "Lamentavelmente teve que ser paralisado porque um pequenogrupo de senadores resolveu não aprovar a CPMF, e o PAC dasaúde está sendo reconstruído para ver o que conseguimosfazer", disse Lula, em discurso na premiação da 3a Olimpíada deMatemática das Escolas Públicas, que envolveu 17 milhões deestudantes. O presidente levou ao palco para acompanhar o seu discursoo estudante Ricardo Oliveira da Silva, de 19 anos, que sofre deatrofia do tecido muscular, como exemplo da perseverança e daimportância de se dar oportunidade aos jovens do país. Lula lembrou que quando surgiu a idéia de se fazer umaolimpíada nacional de matemática, muita gente dizia que não iadar certo e logo no primeiro ano, em 2005, 11 milhões deestudantes se inscreveram. No segundo ano, mesmo com as limitações da JustiçaEleitoral, que, segundo Lula, proibiu até que se colassemcartazes nas escolas convocando os alunos, por se tratar de anode eleições, foram 14 milhões de inscrições. "E esse ano chegamos a 17 milhões e 300 mi alunos, a maiorolimpíada de matemática do mundo", afirmou. Lula anunciou a intenção de promover uma olimpíada dalíngua portuguesa e aproveitou a doação de laptops pelo bancoItaú aos tricampeões da olimpíada de matemática para pedir aentrega dos equipamentos para os vencedores de todas asolimpíadas futuras. "Se o Itaú continuar com os lucros que está tendo, isso nãovai custar nada", disse o presidente. (Reportagem de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.