Lula atribui enchentes à antecessores 'irresponsáveis'

Em mais uma referência às enchentes que têm provocado destruição e mortes em São Paulo e no Rio de Janeiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que sua gestão faz "um processo de reparação na irresponsabilidade dos que governaram há vinte, trinta anos e deixaram que o povo ocupasse encostas de morro". O presidente ressaltou que a irresponsabilidade foi de partidos "de direita, de centro, de esquerda" e cobrou dos prefeitos "coragem" para não permitir ocupação irregular.

LUCIANA NUNES LEAL E KELLY LIMA, Agencia Estado

03 de fevereiro de 2010 | 18h52

Lula procurou citar casos de transtornos causados pelas chuvas em cidades administradas tanto por aliados quanto por adversários. "Enchente está dando em qualquer lugar", declarou.

"É preciso parar com a hipocrisia de tratar o povo dessa forma. O prefeito tem que ter coragem de ir lá e não deixar ocupar. Quando morre alguém, de quem é a culpa? Vemos o que aconteceu em São Paulo, em Angra dos Reis, em Belo Horizonte. É o acúmulo de 50 anos", discursou, durante inauguração de um gasoduto da Petrobras.

O presidente destacou que a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2) vai promover uma "grande reforma nos grandes centros urbanos, como o Rio de Janeiro e São Paulo". O presidente disse esperar que "daqui a vinte anos o povo tenha orgulho de morar em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e não viver apinhado com a família em um espaço de três metros quadrados".

Mais conteúdo sobre:
Lulaenchentesgovernos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.