Lula ataca palpites do Citibank e questiona competência do banco

Ao evitar comentários sobre apolítica interna cubana, o presidente Luiz Inácio Lula da Silvacriticou o Citibank, que reportou na terça-feira um prejuízo de9,83 bilhões de dólares no quarto trimestre. Lula defendeu que cada país cuide soberanamente do seudestino e afirmou que quem dá muito palpite "quebra a cara",valendo-se do Citibank como exemplo. "Eles, que davam tanto palpite sobre como administrar ospaíses, as coisas, quando chega na hora de provar a suacompetência demonstram que não têm tanta competência comofalavam", disse Lula, segundo a Agência Brasil. As visitas a Cuba e à Guatemala se enquadram, comentouLula, na estratégia da política externa brasileira defortalecer a integração latino-americana. Lula disse que em termos geopolíticos, o mundo pode serdividido em três grupos de países: os "prontos", como os daUnião Européia, Estados Unidos e Japão; os "em construção",entre os quais se inclui o Brasil, e um terceiro grupo compaíses mais pobres da América Latina e da África. Referindo-se ao último grupo, Lula disse que é papel doBrasil ajudá-los. "São continentes num processo de formação de políticacomercial e de política econômica que o Brasil pode ajudar deforma extraordinária com sua experiência, com a construção deparcerias. Nós vamos fazer isso porque acho que este é um papelque está reservado ao Brasil." (Texto de Mair Pena Neto; Edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.