Lula ataca oposição e diz que fará tudo mesmo sem CPMF

Para presidente, oposição derrubou imposto com intenção de derrotá-lo e com medo da sucessão em 2010

Fausto Macedo, enviado especial de O Estado de S. Paulo,

18 de março de 2008 | 15h12

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou a oposição mais uma vez e disse nesta terça-feira, 18, que vai superar a ausência dos recursos da CPMF, que o Senado derrubou em dezembro. Irônico, o presidente disse: "Vocês sabem que no final do ano teve um grupo de pessoas lá no Senado da República que tem uma imaginação, que eu diria, extraordinária. Resolveram tirar a CPMF do governo. Isso significou retirar R$ 120 bilhões do governo até 2010, nos quais estavam incluídos o PAC da Saúde".   Veja também:   ESPECIAL: veja os ataques de Lula aos seus críticos  Entenda a cobrança da CPMF  ESPECIAL: o balanço do PAC     Segundo Lula, R$ 24 bilhões eram para a saúde, e as pessoas falavam assim: "Oh, não vamos deixar passar, porque imagina se esse Lula tiver R$ 120 bilhões até 2010, ele vai querer eleger o seu sucessor. Nós temos que derrotá-lo. Mas, como eu tenho sorte, se Deus quiser, eu vou arrecadar os R$ 40 bilhões que me tiraram, vou fazer todos os programas que eu queria fazer na área da saúde, e eles vão ficar com mais raiva ainda, porque as coisas vão acontecer da mesma forma".   Para demonstrar que o seu PAC tem isenção política, Lula disse que R$ 8 bilhões foram destinados ao Estado de São Paulo e outros R$ 4 bilhões para o Governo de Minas Gerais. Sobre a economia, Lula disse que o País vive "momento mágico", e que não teme uma crise americana. Ele defendeu ainda o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), carro-chefe do seu governo.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaPACoposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.