Leo Malafaia/AFP
Leo Malafaia/AFP

Lula ataca ações de Bolsonaro no combate ao coronavírus: ‘Show de narcisismo’

Ex-presidente critica entrevista do presidente e ministros do governo e pede que Tesouro ‘coloque dinheiro na economia’

Gustavo Porto, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 22h54

Uma semana após retornar da Europa e em quarentena recomendada pelos médicos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reapareceu nesta quinta-feira, 19, nas redes sociais. Disse que não gosta de fazer julgamentos, por já ter ocupado o principal cargo político do País, mas reservou boa parte do pronunciamento, em um vídeo de 15 minutos, para atacar a forma como o atual presidente tem lidado com o avanço do novo coronavírus.

Lula pediu ao Tesouro que coloque dinheiro novo na economia, “quantos bilhões forem necessários”, que não se preocupe com déficit fiscal e gaste quanto for necessário gastar em ações contra a doença. “Depois que a gente salvar o povo, a gente vai discutir como salvar a Economia, como fazer o País voltar a crescer”.

O ex-presidente iniciou os ataques ao atual mandatário ao comentar a entrevista coletiva realizada na quinta-feira, 18, por Bolsonaro e equipe para divulgar ações do governo em relação à covid-19. “Não imaginei que um presidente da República e seu staff, seu ministério, fossem fazer uma entrevista para desorientar o povo brasileiro de como melhor se comportar e como o governo iria fazer para minimizar o possível sofrimento da sociedade brasileira”, afirmou. “O que vi foi o governo fazer um show de narcisismo, de quem não estava em preocupado em orientar, mas em se desfazer da imagem negativa que se permitiu criar, de tanta bobagem que fez.”

Para Lula, Bolsonaro está mais preocupado com a imagem, com panelaços, e em se “autodenominar o mito. Ele gosta tanto dele que se acha mais importante do que qualquer ser humano do planeta”. Sobrou até para o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, algoz e responsável pela prisão do ex-presidente na Operação Lava Jato. Ao comentar o fechamento de fronteiras do Brasil, iniciado pela Venezuela, afirmou que “Se o Moro quisesse fechar alguma coisa, deveria fechar a boca.”

Lula, no entanto, poupou a imprensa de críticas. Pelo contrário, em raros elogios, admitiu que “se tem alguma coisa que tem funcionado perfeitamente bem do ponto de vista da qualidade da informação é a imprensa brasileira. Sou crítico, mas tenho que reconhecer que uma instituição que prestou informação, foi a imprensa”.

O ex-presidente lembrou que tem 74 anos e que seguirá isolado em quarentena para se cuidar e evitar que seja transmissor ou receptor do coronavírus. Deu conselhos e concluiu pedindo solidariedade, uma palavra rara atualmente, segundo Lula. “É hora de ser solidário e cuidar dos outros, de ser humano cuidando do outro”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.