Lula assistirá à posse de Marinho

Petistas querem fazer festa pública para prestigiar prefeito eleito de São Bernardo do Campo

Joaquim Alessi, SÃO BERNARDO DO CAMPO, O Estadao de S.Paulo

03 de dezembro de 2008 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai festejar o Ano Novo em São Bernardo do Campo e participar, em 1º de janeiro de 2009, da posse do prefeito eleito, o ex-ministro do Trabalho e da Previdência Social Luiz Marinho. A decisão, mantida em sigilo pelo partido na cidade, mas confirmada por fontes de Brasília e da Câmara Municipal, dá a dimensão que Lula confere à vitória eleitoral na cidade onde mora, considerada o berço do PT. Ao mesmo tempo, revela o prestígio de Marinho na sigla.A cerimônia está marcada para as 10 horas e o PT pretende reunir milhares de militantes e filiados no histórico Paço Municipal, palco da concentração dos metalúrgicos do ABC no fim dos anos 70. Os petistas passaram 20 anos sonhando em reconquistar a Prefeitura de São Bernardo e preparam agora uma grande manifestação popular para a posse.Lula teve presença constante no município durante a campanha eleitoral - que, proporcionalmente, foi a mais cara do País. Participou de três comícios e até desfilou em carro aberto pela principal rua comercial da cidade no sábado que antecedeu o primeiro turno.A simples consulta sobre os procedimentos necessários para a participação do presidente na cerimônia mobilizou os diretores e assessores do Legislativo. O regimento interno da Câmara Municipal de São Bernardo prevê a posse no plenário, que tem capacidade para no máximo 400 pessoas.Representantes petistas indagam sobre a possibilidade de transferir a cerimônia para o lado de fora do prédio, na Esplanada do Paço, mas isso dependeria da aprovação de um projeto de resolução específico.DEDICAÇÃOCandidato petista que contou com grande dedicação do presidente nas eleições municipais deste ano - equivalente ou superior à atenção dada à candidata na capital, a ex-ministra Marta Suplicy -, Marinho também desponta como um dos líderes do partido no Estado.Em reunião com os prefeitos eleitos pelo PT, há poucos dias, ele falou sobre a necessidade de alianças políticas no processo eleitoral. Considerado por muitos como líder dos prefeitos petistas no Estado, ele discorreu sobre estratégias com vistas à disputa pela sucessão presidencial de 2010.Marinho falou também sobre o projeto do PT para conquistar o Palácio dos Bandeirantes pela primeira vez, embora faça questão de negar sua candidatura à sucessão do governador José Serra (PSDB).Por fim, citou como exemplo o trabalho feito para que ganhasse em São Bernardo, algo que os petistas não conseguiam desde 1988. Neste ano, o PT disputou o primeiro turno em uma coligação inédita de 11 partidos e obteve apoio de outras 5 agremiações no segundo turno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.