Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Lula articula chapa com Suplicy e Haddad para o Senado

Proposta foi apresentada pelo ex-presidente aos envolvidos em reuniões na sede do Instituto Lula, na semana passada

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2017 | 05h00

O PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estudam lançar uma chapa para as eleições de 2018 em São Paulo com o ex-prefeito Fernando Haddad e o vereador Eduardo Suplicy na disputa pelo Senado.

A proposta foi apresentada por Lula e pelo presidente do diretório estadual do PT de São Paulo, Luiz Marinho, pré-candidato a governador, em reuniões com Haddad e Suplicy na quinta e sexta-feira, respectivamente, na sede do Instituto Lula.

Suplicy gostou. “Ponderei que isso significaria uma força muito grande para o PT, para a candidatura de Lula em São Paulo e para o candidato a governador”, disse. Já o ex-prefeito, segundo relatos, apontou as dificuldades da proposta. 

+ 'Povo não tem que pagar Imposto de Renda sobre salário', afirma Lula

+ Eliane Cantanhêde - Huck é para valer 

“Falei com o Fernando Haddad hoje (sexta-feira) e ele avaliou que se a Marta (Suplicy, PMDB) for candidata as pessoas podem votar em mim e nela do mesmo jeito que muitos podem votar nele e em outro candidato e é capaz de nós dois perdermos”, afirmou Suplicy.

Encaixar os dois principais líderes do partido em São Paulo na chapa para 2018 tem sido uma das maiores dificuldades de Lula e do PT estadual. A chapa idealizada teria Marinho para governador, Haddad ou Suplicy concorrendo ao Senado e um dos dois na disputa pela Câmara. Ambos são vistos como puxadores de votos em potencial, capazes de ajudar a eleger candidatos do PT a deputado. 

Mas nem o vereador nem o ex-prefeito aceitam se candidatar à Câmara. Suplicy chegou a dizer a Lula e Marinho que se não for candidato ao Senado prefere terminar o mandato de vereador, para o qual foi eleito com mais de 500 mil votos, um recorde na cidade.

+ ‘Não há razão para o mercado se assustar com o PCdoB’, diz Manuela D'Ávila

Já Haddad tem evitado o confronto. O ex-prefeito se comprometeu a apoiar a pré-candidatura de Marinho que, em troca, ofereceu a vaga ao Senado, mas Haddad respondeu que só aceita se houver acordo com Suplicy. Lideranças do PT-SP não descartam a possibilidade de Haddad entrar na disputa pelo governo caso a candidatura de Marinho não decole. 

Embora saiba que tem poucas chances de romper o domínio de 23 anos do PSDB e o forte antipetismo registrado nas eleições de 2014 e 2016, Haddad poderia usar a campanha estadual para pavimentar sua volta à Prefeitura em 2020. Além disso, ele é cotado para substituir Lula, caso o ex-presidente fique impedido pela Justiça de se candidatar. 

Uma nova reunião deve ser marcada com a presença do ex-secretário municipal de Transportes Jilmar Tatto, que também se coloca para o Senado, embora com menos chance. Por enquanto, o único consenso é que não há pressa para se tomar alguma decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.