Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Lula aproveita cerimônia com professores para criticar Serra

Ele lembrou distribuição de apostila com 2 Paraguais e livro destinado a crianças de 3ª série com termos chulos

Lisandra Paraguassú e Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo,

28 Maio 2009 | 20h22

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou o discurso na cerimônia de lançamento do Plano Nacional de Formação de Professores para cutucar o governador de São Paulo, José Serra, um de seus principais opositores. Enquanto elogiava as ações federais na educação, Lula lembrou dois problemas recentes da educação em São Paulo. A distribuição de uma apostila de geografia em que constavam dois Paraguais e, mais recente, um livro destinado a crianças de 3ª série com termos chulos e palavrões.

 

Veja também:

SP recolhe mais um livro inadequado distribuído a escolas

som Ouça a declaração do secretário no Território Eldorado

 

"Vocês nunca mais vão ver um mapa com dois Paraguais ou um livro de formação sexual como se tentou fazer", disse o presidente para uma plateia de reitores e educadores, sem citar São Paulo ou o governador diretamente.

 

Um dos casos mencionados por Lula aconteceu com uma apostila de geografia para 6ª série. No mapa da América Latina, o Paraguai aparecia na sua posição normal, mas também no lugar do Uruguai, que não estava em lugar algum. Também não havia linha de fronteira entre Paraguai e Bolívia. As apostilas foram recolhidas.

 

O segundo caso, mais recente, foi a distribuição de um livro com 11 histórias em quadrinhos para alunos da 3ª série do ensino fundamental com expressões chulas e palavrões usados para se referir a relações sexuais. O livro deveria ser usado para aulas de educação sexual e, de acordo com a secretaria de educação, foi distribuído aos alunos por engano.

 

Críticas

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou ainda governos anteriores ao dizer que, em sete anos, está fazendo pela educação o que não foi feito em 30 ou 40 anos. Lula disse que "Deus queira" que quem vier depois dele "seja um bicho bem competente" para fazer mais 300 escolas técnicas no país e 100 campus de universidades federais, porque ele, "que era um metalúrgico considerado desqualificado", fez isso tudo que está aí.

 

O presidente voltou a agradecer os parlamentares que, segundo ele, aprovam no Congresso 99% do que é enviado para lá, muitas vezes melhorando o que foi remetido. "Pela imprensa, parece que vivemos em guerra todo o dia com o Congresso", disse, desafiando em seguida: "analisem o que perdemos, acho que nada (perdeu em votação no Congresso)".

 

Lula afirmou ainda que o Brasil viveu, no passado, momento de atrofiamento em muitas áreas. Segundo ele, fizeram uma "máquina de criar dificuldades e as pessoas desaprenderam a fazer as coisas" porque foi construída "uma máquina poderosa para impedir o funcionamento e uma máquina merreca para fazer".

Mais conteúdo sobre:
LulaEleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.