Lula apresenta Fome Zero em cúpula ibero-americana no Chile

Tema do encontro em Santiago é coesão social e inclusão social.

Denize Bacoccina, BBC

08 de novembro de 2007 | 08h40

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresenta os resultados do Programa Fome Zero na 17ª Conferência Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, que começa nesta quinta-feira em Santiago, no Chile, como exemplo da atuação do governo brasileiro no combate à exclusão social.O tema do encontro é coesão social e inclusão social. O presidente Lula vai focar seu discurso no combate à desigualdade e falar dos programas sociais do governo. "O presidente Lula levará à Cúpula a mensagem de que o primeiro passo para promover a coesão social são políticas públicas eficazes de erradicação de fatores que geram miséria e exclusão", afirmou em Brasília o porta-voz da Presidência, Marcelo Baumbach."O Brasil, que conseguiu cumprir com dez anos de antecedência a primeira das Metas de Desenvolvimento do Milênio, antecipa o fim da fome e da pobreza extrema no País", disse ele.O presidente Lula dirá ainda que o Brasil consolidou uma ampla rede de proteção social e ao mesmo tempo adotou uma conduta macroeconômica prudente e responsável, favorecendo assim a retomada do crescimento sustentável.O porta-voz disse que por sugestão do presidente foi criado um espaço na cúpula para que os países apresentem seus melhores programas na área social. O Ministério do Desenvolvimento Social preparou um material audiovisual de meia hora que será apresentado aos demais integrantes do encontro. Os discursos dos presidentes, porém, serão de apenas cinco minutos.O Bolsa Família, o principal programa de complementação de renda do governo Lula, é pago atualmente a 11 milhões de famílias, o equivalente a um quarto da população brasileira. Este ano, o orçamento do programa é de R$ 8,7 bilhões.O presidente Lula chega a Santiago no início da noite desta quinta-feira e logo em seguida participa do jantar de abertura do encontro ibero-americano, com os demais chefes de Estado e de governo. São convidados todos os líderes dos países de língua portuguesa e espanhola das Américas, além de Portugal e Espanha.Lula deve chegar à capital chilena acompanhado dos ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim, e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, além do assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia.Além das reuniões do encontro ibero-americano, o presidente Lula deve manter vários encontros bilaterais.O mais importante, provavelmente na sexta-feira no início da noite, será com o presidente da Bolívia, Evo Morales. Os dois conversaram por telefone na segunda-feira e ficaram de se reunir em Santiago para planejar a agenda da visita que Lula fará a La Paz no dia 12 de dezembro, quando vão tratar da retomada dos investimentos brasileiros no país.O presidente também deve se encontrar com o secretário-geral ibero-americano, Enrique Iglesias, com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Luis Alberto Moreno, com o presidente do Paraguai, Nicanor Duarte Frutos, e com o presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, e o primeiro-ministro do país, José Sócrates.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.