Lula anuncia mais 400 mil vagas em universidades públicas

Ampliação ocorrerá nos próximos 4 anos; para Lula, Estado tem dívida com os jovens na área educacional

Milton F. da Rocha Filho, da Agência Estado,

28 de abril de 2008 | 07h37

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, anunciou nesta segunda-feira, 28, que nos próximos quatro anos, serão criadas 400 mil vagas nas universidades brasileiras públicas, isto é vai se passar de 12 alunos por professor para 18 alunos por professor. Segundo o presidente isto vai se dever à implantação do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni).  Veja também:  Ouça na íntegra o programa 'Café com o Presidente'   O presidente analisou o setor educacional para o jovem no País, aproveitando a realização da Conferência Nacional da Juventude, que acontece em Brasília, reunindo 2.280 delegados, representando todos os Estados, municípios e comunidades tradicionais. "Tudo que está sendo discutido na conferência foi decidido pelos próprios jovens nos encontros preparatórios. E é importante lembrar que essa é a primeira conferência feita com foco na juventude brasileira e já mobilizou em todo o País mais de 400 mil participantes", afirmou.  O objetivo principal do encontro em Brasília, segundo o presidente, é "promover o direito à participação da juventude, fortalecer a rede social institucional para a juventude, identificar desafios e prioridades para que o poder público possa atuar junto à juventude brasileira". Lula lembrou que "nós tivemos três décadas em que a economia brasileira não cresceu, não se fez os investimentos necessários na área de educação, na área da formação profissional. E, portanto, eu diria que o Estado brasileiro tem uma dívida com a nossa juventude, ou seja, a juventude ela precisa ser motivada a esperanças e a oportunidades. "Se não tem escola para os jovens estudarem depois que terminam o ensino fundamental e o segundo grau, não tem formação profissional e não tem emprego, a juventude fica à mercê do narcotráfico, à mercê do crime organizado. Por isso, eu posso dizer para você que é a primeira vez que o país conta com uma política voltada especificamente para os jovens", afirmou Lula. O presidente salientou que em 2005, foi criada a Secretaria Nacional da Juventude, "depois nós, no mesmo período, instalamos o Conselho Nacional da Juventude, com 60 membros, sendo 40 da sociedade civil e 20 do governo federal". Lula citou a medida provisória enviada no final do ano passado para a Câmara dos Deputados, que unifica os programas voltados para a juventude. "Nós também aumentamos a faixa etária dos beneficiários dos programas para a juventude, que antes era de 15 a 24, passamos para 15 a 29 anos", disse Lula. O presidente explicou ainda que, antes da unificação, os programas atendiam 467 mil jovens em todo o País. Com a integração, até 2010, segundo Lula, eles irão cuidar de aproximadamente 3 milhões e meio de jovens, ou seja, e praticamente um investimento de R$ 5,4 bilhões. O presidente salientou ainda que foi feita a extensão do programa Bolsa Família, para as famílias que tenham filhos de 16 e 17 anos. O presidente concluiu falando do Programa Universidade para Todos (Prouni), "que já está colocando aproximadamente 400 mil jovens na universidade brasileira e este ano nós teremos a formatura dos primeiros 60 mil jovens brasileiros no ProUni".

Tudo o que sabemos sobre:
LulaProuniEducação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.