Lula ajuda com créditos a ''''abertura'''' em Cuba

Na visita à ilha de Fidel, amanhã e depois, ele discute petróleo e rodovias

Vera Rosa, O Estadao de S.Paulo

12 Janeiro 2008 | 00h00

Atento à perspectiva de abertura econômica em Cuba, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciará em Havana, na terça-feira, um pacote de linhas de crédito para a ilha de Fidel Castro. O maior aporte de recursos coincide com o momento político vivido pelo país, com Fidel afastado do poder por motivos de saúde e a promessa de seu irmão Raúl Castro, presidente interino, de abrir o mercado para investimentos externos. Os projetos de financiamento que Lula levará na bagagem incluem desde obras de infra-estrutura viária, como pontes e rodovias que despertam interesse da construtora Odebrecht, no valor de US$ 623 milhões, até a remodelação da rede hoteleira, orçada em US$ 45,6 milhões.Lula desembarcará em Havana amanhã à noite, depois de assistir à posse do presidente eleito da Guatemala, Álvaro Colón Caballeros. Na lista dos convênios que devem ser assinados constam ainda a exportação de tecnologia para modernização de uma fábrica de níquel, com financiamento de US$ 70 milhões, e o aumento da linha de crédito para alimentos, que deve ficar em US$ 100 milhões. Não é só: a Petrobrás tem pronto um acordo de cooperação para exploração de petróleo no Golfo do México e pretende construir uma fábrica de lubrificantes em solo cubano.Na prática, o governo brasileiro quer pegar o primeiro trem da abertura em Cuba, embora não haja prazo para a mudança. Na quinta-feira, ao receber embaixadores brasileiros, Lula fez um comentário que ilustra bem seu raciocínio de mercador. "Todo mundo me critica porque eu negocio com a África, mas, quando a gente chega lá, os chineses já entraram, os indianos já investiram", disse, num discurso veemente em defesa da ousadia. O Brasil tem, hoje, uma presença discreta em Cuba e a corrente de comércio entre os dois países está na casa de US$ 325 milhões."Atualmente, Cuba passa por um processo de flexibilização, semelhante ao da China, e a possibilidade de abrir cada vez mais a sua economia é muito importante para nós", afirmou o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, Alessandro Teixeira.ELEIÇÕESDesde 2003, quando assumiu o governo, esta é a segunda vez que Lula visita Cuba. Antes disso, porém, ele já esteve na ilha em várias outras ocasiões. Há sete anos, por exemplo, chegou a ser cicerone de uma excursão de petistas, que tinha como mote o bordão "Vá a Cuba com Lula". Em todas as visitas ele foi recebido por Fidel. "Mantemos relações fraternas de longa data e queremos cooperar com esse período de crescimento", disse o assessor de Relações Internacionais da Presidência, Marco Aurélio Garcia.A conversa entre Lula e Fidel deverá ocorrer na manhã de terça-feira, mas, por cautela, o Planalto e o governo cubano evitam confirmar o encontro, sob alegação de que tudo depende do aval dos médicos. Fidel transferiu provisoriamente o comando de Cuba para seu irmão Raúl em julho de 2006 e, desde então, mantém-se recluso. Em novembro, Raúl anunciou que no próximo dia 20 haverá eleições nacionais parlamentares.Embora a medida não envolva Fidel, analistas políticos interpretam o pleito como parte do processo que vai determinar se o líder da Revolução Cubana de 1959 conseguirá manter-se como presidente.AVALDe qualquer forma, muitos dos acordos que o Brasil vai oferecer nesta visita ainda dependem do aval dos cubanos, como é o caso da construção da fábrica de lubrificantes e da exploração de petróleo. Há quatro anos, Cuba tem convênio com a Venezuela de Hugo Chávez, que fornece petróleo subsidiado à ilha em troca de serviços médicos.Aliado de Chávez, Fidel é um dos maiores críticos da produção de etanol para combustível, menina dos olhos do governo Lula. "Nada tenho contra o Brasil", escreveu o líder cubano no ano passado. "Mas ficar em silêncio seria para mim optar entre a idéia de uma tragédia mundial e um suposto benefício para o povo dessa grande nação."Para Fidel, a expansão dos biocombustíveis põe em risco a produção de alimentos. Lula discorda. "No meu país, a fome está diminuindo ao mesmo tempo em que os biocombustíveis estão se expandindo", retrucou ele, em julho, ao participar da Conferência Internacional sobre Biocombustíveis da Comissão Européia, em Bruxelas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.