Lula agradece presença de Alencar na reunião ministerial

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogiou e agradeceu a presença do vice-presidente, José Alencar, na reunião ministerial que está sendo realizada desde a manhã de hoje no Palácio do Planalto. "Estou gratificado pela presença do nosso companheiro José Alencar, com quem conversei ontem para ele não vir à reunião. Não precisava vir, porque ele está fazendo um tratamento muito especial", disse o presidente, numa referência ao tratamento de quimioterapia do vice. De acordo com a transcrição da Secretaria de Imprensa da Presidência da República sobre declarações iniciais do presidente na abertura da reunião, Lula referiu-se também ao novo integrante do ministério, o senador Edison Lobão, que assumiu a pasta de Minas e Energia na última segunda-feira.O presidente manifestou o desejo de discutir mais política do que assuntos administrativos na reunião de hoje, e acima de tudo ouvir mais os ministros do que falar. Para tanto, pediu ao ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, que destacasse em sua exposição o que deve mudar na relação política do Executivo com o Legislativo. "Depois eu vou falar um pouco, menos do que habitualmente falo, para que a gente possa então fazer um debate. Um debate político em que eu quero ouvir o que as pessoas têm a dizer", ressaltou o presidente, lembrando que o governo é composto de vários partidos e que tem mais três anos pela frente. Dois temas foram descartados na reunião de hoje: economia no Brasil e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que já foi bastante divulgado, ontem, pelos ministros da Fazenda, Guido Mantega, e da Casa Civil, Dilma Rousseff. "Eu tinha pedido ao ministro Guido Mantega que fizesse apenas uma pequena exposição sobre a crise imobiliária americana, que tem permeado situações difíceis em vários países do mundo", ressaltou o presidente. A exposição, porém, ficou a cargo do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, já que Mantega chegou atrasado porque teve de ir ao dentista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.