Lula afirma que política tributária é injusta

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu no encontro de prefeitos em Sergipe, que a política tributária é injusta, mas que São Paulo e Minas Gerais não podem ser apontados como responsáveis pela situação do Nordeste. Em resposta ao governador de Sergipe, João Alves, que criticou os dois Estados, Lula disse que muitas vezes a elite do Nordeste ganhou muito dinheiro. O presidente destacou também que seu governo está empenhado no desenvolvimento regional. Segundo ele, a partir de sexta-feira cada ministro vai viajar a todos os Estados para debater sobre o desenvolvimento regional sem o mecanismo da guerra fiscal. O presidente negou que tenha defendido a transposição das águas do Rio São Francisco. "Eu falei no Senado que vou fazer a transposição e alguns entenderam era das águas do Rio São Francisco. Eu nem falei no Rio São Francisco. É preciso revitalizá-lo. É preciso recuperar seus afluentes. O velho Chico não pode salvar o nordeste de tudo. Vamos cuidar disso com carinho", garantiu o presidente, ao participar da 44ª reunião da Frente Nacional de Prefeitos.Ele prometeu também que em seu governo vai construir a rodovia Transnordestina. "A tão sonhada Transnordestina vai sair no meu governo". "Acho que todo Brasil merece tratamento, merece incentivo. Mas a verdade é que o Nordeste não pode continuar sendo o eterno primo pobre dessa nação", acrescentou.VaiasDepois do encontro com os prefeitos, Lula inaugurou em Aracaju (SE), a avenida São Paulo, na periferia da cidade. Em seu discurso, o ele disse que não se esquece das promessas de campanha que fez e que vai cumpri-las. O presidente garantiu que continuará dando atenção às pessoas mais pobres. E disse que se não puder fazer bem com as reformas, mal também não vai fazer. Durante a inauguração, Lula contrariou as regras de segurança e determinou que fosse liberado o acesso do público ao palanque para que ele pudesse ficar mais perto da população. O governador de Sergipe, João Alves (PFL), foi vaiado. Em resposta, Lula disse que o povo tem o direito de aplaudir ou vaiar mas que ele, por ser governante, tem que tratar todos de maneira igual. O prefeito de Aracaju, Marcelo Déda, destacou em seu discurso que todos devem confiar no presidente. "O presidente, que nunca traiu na porta de fábrica não vai trair agora", disse Déda, ao ressaltar a importância das reformas constitucionais para os mais pobres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.