Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Lula admite que reforma da Previdência trouxe prejuízo político

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comunicou hoje aos governadores representativos das cinco regiões do País com quem se reuniu no Palácio do Planalto que, daqui para frente, passará a acompanhar atentamente as negociações em torno da reforma tributária e o relatório a ser apresentado pelo deputado Virgílio Guimarães(PT-MG) à comissão especial da Câmara que examina o assunto. Lula se queixou, segundo participantes da reunião, da condução da proposta de reforma previdenciária, que trouxe prejuízos políticos ao governo. Na reunião, embora o governo não tenha apresentado propostas concretas aos cinco governadores que integram a comissão de negociação das reformas, estes saíram convencidos de que a repartição da Cide com os Estados vai ocorrer no próximo ano e que falta agora a área deconômica definir como será o mecanismo de partilha. Ainda segundo um dos governadores, Lula reconhece o direito dos Estados de serem ressarcidos pelas perdas financeiras com a exoneração das exportações, e o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, vai agora definir qual o valor desse fundo - os governadores propõem R$ 8,9 bilhões anuais - para evitar acirramento nessas negociações, que ainda vão prosseguir com essa comissão de reforma tributária formada pelos governadores. A discussão sobre a CPMF foi adiada para um próximo encontro. Esse adiamento foi proposto em comum acordo pelos participantes da reunião, uma vez que o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, tem declarado reiteradas vezes as dificuldades financeiras do governo para repartir com os Estados parte da receita desse tributo. Por isso, eles preferiram deixar a discussão para depois, centralizando o debate em torno da Cide e do fundo de compensação.

Agencia Estado,

22 de julho de 2003 | 20h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.