Lula admite 'pedras no sapato' entre PT e PMDB

Em jantar ontem à noite, com o PMDB, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que na relação entre dois partidos grandes como o PT e PMDB, sempre haverá problemas. "São pedras no sapato, mas isso se resolve devagar, uma a uma", afirmou Lula. O jantar foi fechado, na residência do senador eleito Eunício Oliveira (PMDB-CE).

EUGÊNIA LOPES, Agência Estado

09 Dezembro 2010 | 07h47

Numa referência à aliança feita em seu governo e à que está sendo formada para o governo Dilma Rousseff, Lula disse que "dois partidos importantes como o PMDB e o PT se juntaram e, com isso, a chance agora de dar certo é de 99,99%, e de dar errado é nenhuma". O presidente lembrou ainda que graças ao PMDB, Dilma conseguiu obter mais votos em sua eleição do que ele em 2002.

No discurso, Lula ressaltou também que os dois partidos têm que ter responsabilidade com a inflação. Segundo ele, só alguns setores ganham com a alta dos preços e o maior penalizado é o trabalhador. O vice-presidente eleito, Michel Temer, também fez um rápido discurso, enaltecendo o tratamento dado pelo presidente ao PMDB em seu governo. "O tratamento que o senhor deu ao PMDB foi compatível com a grandeza do partido", disse Temer.

Participaram da confraternização a bancada do partido no Congresso e ministros da legenda, além do futuro ministro da Casa Civil, Antonio Palocci. A presidente eleita Dilma Rousseff não compareceu ao evento.

Mais conteúdo sobre:
Dilma transição Lula PMDB pedras no sapato

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.