Lula admite negociar a reforma da Previdência

O governo admite negociar a reforma da Previdência, desde queos pontos considerados fundamentais, como caráter distributivo, fim dosprivilégios e sanidade fiscal, não sejam modificados. A abertura para anegociação foi manifestada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silvaontem, durante o vôo de São Paulo a Lisboa, de acordo com relato doministro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, TarsoGenro. A conversa transcorreu em clima tranqüilo e dela participaram, alémde Lula e Tarso, os governadores Ronaldo Lessa (Alagoas), Cássio CunhaLima (Paraíba) e o porta-voz André Singer. Quem puxou o assunto foiLessa, preocupado com a precária situação de seu Estado. O governador da Paraíba também relatou a conversa com o presidente Lula, basicamente nos mesmos termos do ministro Tarso Genro.Em Brasília, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, havia afirmado que o governo poderá mudar a proposta para que os servidores continuem se aposentando combenefício integral. Para Tarso, não se trata de um recuo. ?O governo não é uma estruturafechada, monolítica e autoritária, que diz que é esta proposta ou nadamais?, afirmou. Questionado sobre os pontos que o Planalto deve abrirmão, o ministro disse não poder antecipar a mudança. ?Aí vocês queremque eu dê uma resposta matemática para uma questão política?, alegou.?Podemos chegar aos efeitos da reforma de outra maneira? Podemos. Mas ogoverno vai manter os pontos fundamentais, que buscam caráterdistributivo, combate aos privilégios e efeitos fiscais, porque esta éa essência da transição.? O ministro contou que a conversa de Lula com os governadores sobrePrevidência durou cinco das 11 horas de vôo de São Paulo a Lisboa. Opresidente chegou ontem às 23h45 no elegante Hotel Ritz, na capitalportuguesa. Além das autoridades, foi recebido por militantes com umabandeira do PT. ?É do Rio Grande do Sul?, destacou Manoel Pereira deAndrade, um dos coordenadores do Núcleo do PT em Lisboa. Ainda no vôo, o presidente disse que a greve do funcionalismo nãoaltera a disposição do governo para aprovar as reformas. ?E também nãomuda o ânimo positivo para negociar o que for possível?, observouTarso. ?Nossa bancada e também os adversários têm contribuições a dar eo governo vai ouvir. O Congresso é o espaço positivo de negociação.? O presidente Lula terá agenda cheia hoje em Lisboa, onde permaneceaté sábado: no Palácio de Belém, almoça com o presidente de Portugal,Jorge Sampaio, participa de sessão na Assembléia da República e atéinaugura exposição de fotografias de sua própria trajetória política,na Fundação Mário Soares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.