Lula admite falhas no governo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em discurso na inauguração de uma fábrica de esmagamento de soja, que seu governo não tem problema em rever medidas que, na prática, se constatou que não funcionam. O presidente fez a autocrítica ao responder à afirmação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), de que a medida provisória da Cofins prejudica os produtores agrícolas e encarece a cesta básica. Lula mencionou, além da MP da Cofins, a lei que criou o programa Primeiro Emprego, aprovada em outubro. "Nós criamos a lei do Primeiro Emprego. Tem lei que pega e tem lei que não pega, e essa não pegou. Nós descobrimos que ela tinha um impeditivo, porque o empresário que contratasse jovens a gente proibia esse empresário de dispensar o trabalhador se não precisasse mais", admitiu Lula. Ele informou que o ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, preparou uma proposta de alteração na lei do Primeiro Emprego, que será enviada ao Congresso.Sobre a Cofins, o presidente disse: "O assunto foi discutido a mil mãos e a mil cabeças, e, na hora da votação, nós tivemos que fazer vários acordos, porque descobrimos vários setores que estavam sendo prejudicados". Lula disse que telefonou para o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e para os líderes do governo pedindo que modificassem a nova MP da Cofins de modo a não prejudicar o setor de turismo. Acrescentou que novas mudanças poderão ser feitas se for constatado aumento no preço da cesta básica. "Vocês podem ficar certos de que nós iremos rever, porque aumentar a cesta básica é contraditório com tudo aquilo que sonho fazer para melhorar a qualidade de vida do povo brasileiro", afirmou. O presidente reconheceu como ineficaz, também, a providência do governo de retirar os obstáculos que, no Banco Central, impediam a criação de novas cooperativas de crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.