Lula aconselha Dilma: 'na hora do aperto, vai para perto do povo'

Presidente fez um apelo para que os movimentos sociais continuem apoiando o governo

Tânia Monteiro, da Agência Estado,

25 de novembro de 2010 | 12h43

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou nesta quinta-feira, 5, a sua satisfação em ter conseguido eleger uma mulher para sucedê-lo. Em discurso no Seminário Nacional do Programa de Aquisição de Alimento, em Brasília, Lula fez um apelo para que os movimentos sociais continuem apoiando o governo. "A minha confiança nela (Dilma Rousseff) é total e absoluta", afirmou. "Ela vai ser um orgulho para cada mulher, principalmente para as mulheres que não votaram nela", acrescentou.

 

Segundo ele, Dilma é a consagração da luta de décadas no País. Lembrou que, na década de 1970, o mundo de Dilma ruiu quando ela era uma militante de esquerda, ficou presa três anos e meio e chegou a pensar que o mundo dela tivesse acabado. "Quem a torturou, pensou que tinha acabado com ela na política e deve estar sendo torturado de vê-la na Presidência. Imagina o choque que esse cara está tomando por dentro, agora que ela virou presidente da República, sem o ódio que ele tinha, sem querer vingança, só querendo um Brasil melhor."

 

Lula também deu um conselho à presidente eleita, que não estava presente ao evento. "Dilminha, na hora do aperto, quando a coisa tiver ficando feia, não vacile, vai para perto do povo. Não tenha medo. Quando não souber o que fazer, pergunte ao povo. Na dúvida, o povo é a solução. Eu nunca tive decepção com o povo", disse o presidente, que foi bastante aplaudido. Lula voltou a criticar a imprensa e comemorou os 80% de popularidade.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmatransiçãoLulaconfiança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.