Lula: acidentes espaciais acontecem também em outros países

O presidente da República está em São Luís, mas não irá à à Base de Alcântara. Lula descartou a possibilidade da visita e afirmou que "acidentes ou incidentes" em programas espaciais ocorrem também em outros países. "Às vezes, vemos ônibus espaciais explodirem três segundos depois do lançamento", comentou, referindo-se à explosão do ônibus espacial Challenger, da Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa). Antes do início da entrevista, o presidente peruano, Alejandro Toledo, tomou a iniciativa de homenagem as vítimas da tragédia de Alcântara: pediu um minuto de silêncio.Lula afirmou que o governo dará prosseguimento, "com certeza", ao programa espacial e continuará a ter em Alcântara, no Maranhão, a sua principal base de lançamento de foguetes . O presidente lamentou a morte dos 21 brasileiros na explosão do Veículo Lançador de Satélites (VLS), na sexta-feira, e destacou que todos prestaram um "inestimável" serviço à Nação e ao desenvolvimento de tecnologia de ponta no País. Neste momento, segundo Lula, o mais importante é aliviar o sofrimento das famílias das vítimas da tragédia. "O governo prestará toda a solidariedade e fará tudo o que puder para ajudar às famílias", assegurou o presidente. Ao comentar a violência da explosão que matou os 21 funcionários do Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA), no Maranhão, Lula relatou ter sido informado de que, em alguns dos corpos das vítimas, não seria possível fazer a identificação nem mesmo por exame de DNA.Em entrevista coletiva ao lado do presidente peruano, Alejandro Toledo, Lula informou que, depois da visita que fará amanhã à Venezuela, retornará ao Brasil para conversar com os ministros da Defesa, José Viegas, e da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, sobre as causas do acidente no Centro de Lançamentos e decidir os próximos passos do programa espacial. Ele afirmou que o acidente não foi causado por falta de recursos, uma vez que o programa para o lançamento do foguete que colocaria um satélite em órbita, hoje, estava concluído.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.