Luiz Marinho defende cautela no caso Palocci

O prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Luiz Marinho (PT), disse hoje que é preciso ter cautela em relação às suspeitas de que o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, multiplicou seu patrimônio usando uma empresa para exercer atividades consideradas tráfico de influência. Marinho fez uma comparação dos ganhos de Palocci com a remuneração obtida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com palestras. "Daqui a pouco vão falar que as palestras são enriquecimento ilícito. Tem de ter muito cuidado com isso", disse o prefeito, após palestra no BIOSforum, evento que discute iniciativas de desenvolvimento sustentável no País.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

26 de maio de 2011 | 12h25

Ao comentar os encontros de Lula com líderes da base aliada em Brasília, Marinho, um dos aliados mais próximos do ex-presidente, disse que Lula não precisa ser convocado pela presidente Dilma Rousseff para ajudar a contornar a primeira crise política de seu governo. "Lula não precisa ser chamado, ele está presente", afirmou. Questionado sobre a possibilidade de Palocci estar sendo vítima de "fogo amigo" dentro do próprio PT, o prefeito desconversou. "Não sei. Não tenho elementos para avaliar isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.