Luciana Genro diz que radicais vão resistir

A deputada federal Luciana Genro (PT-RS) disse hoje, em Olinda, que os parlamentares da ala radical do partido não irão fazer acordo que envolva silêncio em relação aos erros cometidos pelo governo. "Vamos resistir. Lula chegou ao governo apesar das elites e contra as elites", disse, referindo-se aos partidos ?responsáveis pela desgraça do povo brasileiro" e que agora são aliados do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Queremos virar esse jogo, e para isso a rebeldia é necessária".Ao lado dos deputados federais João Batista, o Babá, (PA) e João Fontes (SE), Luciana afirmou que "a governabilidade não se conquista com alianças espúrias" e avaliou que o governo está preferindo dar ouvidos à elite, indo contra o próprio PT, a Central Única de Trabalhadores (CUT) e grupos que o elegeram.Os parlamentares participaram de um ato de protesto em solidariedade à vereadora petista Ceres Figueiredo, que foi suspensa pelo partido por ter mantido uma assinatura pedindo abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso), entidade mista (pública e privada), suspeita de irregularidades. A senadora Heloísa Helena (AL) não pôde comparecer, mas apóia a vereadora.Babá disse temer que a "caça às bruxas" adotada no seu partido contra os deputados federais que divergem da linha de governo e que estão ameaçados de expulsão, estenda-se para atingir também deputados estaduais e vereadores petistas que se insurgem contra suas orientações.Os parlamentares reafirmaram que irão votar contra as reformas tributária e previdenciária. Babá apostou que nenhum deputado federal do PT disse, em campanha, ser favorável à cobrança de inativos e aumento da idade para aposentadoria. "Eles estão cometendo estelionato eleitoral", frisou. "O próprio Lula disse que jamais cobraria dos inativos por ser inconstitucional", complementou João Fontes.O ato de protesto, realizado na Câmara de Vereadores de Olinda, contou com a presença de 10 dos seus 21 vereadores, dos mais diferentes partidos - PMDB, PSB, PP, PTB, PSL, PV e PDT - e teve a distribuição de 2 mil CDs com uma música do sergipano Teotônio Neto em favor de Heloísa Helena.O presidente da Funeso foi indicado pela prefeita Luciana Santos (PC do B) e a CPI é encarada pelo partido e pelo PT - que ocupa a vice-prefeitura - como uma questão de caráter político visando atingir a prefeita. Ceres não acusa nem julga a Funeso, mas defende que as suspeitas devem ser investigadas. "O PT não está sendo ético", afirmou. A CPI está suspensa por decisão judicial, devido a uma liminar impetrada pela direção da Funeso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.