Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Longe do palanque petista, Ciro e Lupi querem visitar Lula na prisão

Segundo presidente do PDT, ideia é prestar solidariedade ao 'ser humano' Lula; presidenciável foi criticado por não participar de ato que antecedeu prisão

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2018 | 16h14

BRASÍLIA - Ausentes do ato político que antecedeu a apresentação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Polícia Federal, o presidenciável Ciro Gomes (PDT) e o presidente do partido, Carlos Lupi, querem visitar o petista na prisão. Ao Broadcast/Estadão, Lupi disse que pretende ir a Curitiba essa semana e que fará uma visita de solidariedade ao “ser humano” Lula.

+ Boulos critica ausência de Ciro em ato antes da prisão de Lula

O dirigente disse que está aguardando a chegada de Ciro dos Estados Unidos, onde participou de evento promovido pela Universidade de Harvard. Ciro tem uma agenda hoje à noite em Porto Alegre (RS) e amanhã, 10, participará de palestra na Universidade do Vale do Itajaí (SC). A ideia é saber primeiro quais são os procedimentos de visita exigidos pela PF. “Compete agora a nós termos solidariedade ao ser humano, que no meu modo de ver está sendo injustiçado e sendo condenado por algo que não tinha prova cabal nenhuma”, declarou.

Lupi, que estava no Pará e não compareceu ao ato político em São Bernardo do Campo, reclamou que os pedetistas não podem ser criticados por não participar do evento. “Eles esquecem toda a solidariedade que prestamos. Até poema eu fiz, coloquei na página do partido, o Ciro fez uma nota. A vida toda prestamos solidariedade. Porque não vai num dia, como eles queriam, não presta mais? Eu prefiro não considerar, prefiro achar que isso é do calor da emoção do momento difícil”, respondeu. O dirigente negou que a intenção da visita seja agora tratar de possíveis alianças, já que a candidatura de Lula está inviabilizada.

+ Ausência em ato afasta Ciro do PT

O presidente do PDT voltou a dizer que apesar das especulações sobre como vai caminhar o bloco de esquerda na eleição presidencial, a candidatura de Ciro é irreversível. Lupi negou que a ausência do pré-candidato no ato político do último sábado, 7, signifique um distanciamento estratégico dos petistas e revelou que o bloco está articulando a divulgação de um novo manifesto programático pela unidade dos partidos de esquerda. “Como é que a porta pode estar fechada (para o Ciro)?”, declarou.

Entre os tradicionais aliados do PT, o PDT se descolou da estratégia adotada por PSOL e PCdoB, que se alinharam aos petistas na defesa de Lula antes de sua prisão. À distância, Ciro deu declarações de apoio ao ex-presidente, enquanto Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB) estavam no palanque e na “trincheira” do petista em São Bernardo do Campo (SP).

+Presidenciáveis dão ênfase ao social por votos de Lula Lupi disse que é cedo para avaliar quem herdará o espólio eleitoral de Lula, mas ele acredita que se a maior parte do eleitorado do ex-presidente está no Nordeste, Ciro deve herdar os votos do petista na região. “Se mais de 50% da base do Lula é no Nordeste, o mais bem colocado e o que tem a postura política mais próxima do centro-esquerda é o Ciro, é natural que ele herde esse voto em sua maioria, mesmo o PT tendo candidato”, previu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.