Lobão confirma indicado de Sarney no comando da Eletrobrás

José Antonio Muniz Lopes será novo presidente da estatal e Miguel Colasuonno será o diretor-administrativo

06 de março de 2008 | 17h19

O ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, confirmou nesta quinta-feira, 6,  os nomes dos novos dirigentes da Eletrobrás e da Eletronorte. Todos os anúncios estão em linha com as previsões que já vinham circulando no mercado nas últimas semanas.  Para a presidência da Eletrobrás, foi escolhido o engenheiro José Antônio Muniz Lopes, ex-presidente da Eletronorte. Muniz é uma indicação do grupo político do senador José  Sarney (PMDB-AP). A confirmação do nome de Muniz dependia apenas do julgamento de uma ação administrativa que corria contra ele no Tribunal de Contas da União (TCU). Na quarta, o TCU o absolveu e, com isso, o caminho ficou livre para a nomeação. O atual presidente interino da Eletrobrás, o petista Valter Cardeal, continuará na empresa no cargo de diretor de engenharia. Para a diretoria financeira da estatal, o escolhido foi Astrogildo Quental, que ocupava até então o mesmo cargo na Eletronorte. Para a diretoria administrativa da Eletrobras, foi nomeado o ex-prefeito de São Paulo Miguel Colasuonno, indicado pelo PMDB paulista. O engenheiro Ubirajara Rocha Meira foi o escolhido para a diretoria de projetos especiais.  Para a presidência da Eletronorte, Lobão nomeou o também engenheiro Lívio de Assis, que atualmente é diretor no Detran do Pará. Assis foi indicado ao cargo pelo deputado Jader Barbalho (PMDB-PA). Questionado sobre acusações recentes contra Assis, o ministro de Minas e Energia respondeu que "havia alegações contra ele, mas ele explicou todas, apresentando documentos". Lobão disse que nos próximos 3 ou 4 dias definirá a presidência da Eletrosul e outros cargos a serem preenchidos em Furnas e na Eletronuclear. O ministro, contudo, confirmou que o ex-governador de Santa Catarina, Paulo Afonso, será o diretor de gestão da Eletrosul. O que se comenta nos bastidores é que a presidência da Eletrosul ficará com o ex-deputado federal petista Jorge Boeira (SC), indicado pela senadora Ideli Salvatti (PT-SC).  A maioria dos nomes é de indicação do PMDB e do grupo de Sarney. Lobão, entretanto, negou que tenha havido embate entre o senador do PMDB e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. "Não ficou nenhuma rusga. Todos os nomes foram escolhidos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e por mim", afirmou. O ministro também negou que tenha havido loteamento político no sistema Eletrobrás. "Alguns nomes foram indicados por políticos, mas os políticos apresentaram nomes a altura, que foram checado por mim." Os nomes da Eletrobrás devem ser aprovados nesta quinta pelo Conselho Administrativo da empresa, e a posse deve ocorrer na segunda-feira, no Rio de Janeiro. Texto atualizado às 17h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.