Litoral norte de SP multa quem não combate dengue

Os turistas e proprietários de casas ou estabelecimentos comerciais de Ilhabela e São Sebastião, no litoral norte paulista, poderão ser multados em até R$ 800 se não colaborarem com o combate aos focos do mosquito Aedes aegypti. As prefeituras resolveram intensificar a vistoria para impedir a proliferação dos casos de dengue. "Noventa por cento dos focos estão em ambiente doméstico. Se não houver a ajuda dos moradores e turistas, não haverá controle de nenhuma epidemia", afirmou o secretário de saúde de São Sebastião, Aldo Conelian Junior. Segundo ele, as multas são aplicadas depois da notificação. "Nossa intenção não é simplesmente multar. É educar, conscientizar." Os donos de casas ou comércio em Ilhabela e São Sebastião são avisados do problema e orientados a extinguir os focos. "Depois de uma semana os fiscais retornam ao local notificado para verificar se os possíveis criadouros foram eliminados." Em Ilhabela, a lei municipal que impõe multas para quem não colaborar com o fim da dengue já existe há um ano. "A maioria dos notificados procura atender às solicitações dos fiscais. Mesmo assim, no ano passado cerca de dez estabelecimentos foram autuados", informou o secretário municipal de saúde, Antonio Luiz Collucci. As multas variam de R$ 200 a R$ 800, dependendo do número de criadouros encontrados. Neste ano, São Sebastião tem índice de 13% de focos em cada cem casas vistoriadas. "O número caiu um pouco, no ano passado eram 16,7%, por isso temos muito a fazer", disse Conelian. O número de casos de dengue também diminuiu na região. Em São Sebastião, por exemplo, onde, no ano passado, foram registrados mais de mil casos de dengue clássica, a redução é de mais de 90%. "No mesmo período de 2002 tínhamos mais de cem casos confirmados. Neste ano, há apenas um e 14 ainda estão sendo analisados."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.