Luis Macedo/Agência Câmara
Luis Macedo/Agência Câmara

Lira diz que ninguém vai apoiar 'aventura' e defende semipresidencialismo em 2026

Presidente da Câmara voltou a comentar a crise entre poderes provocada por declarações recentes do presidente Bolsonaro e pediu um basta aos 'recados' entre esferas do poder

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2021 | 15h56

BRASÍLIA – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), sugeriu um debate sobre a adoção de um sistema semipresidencialista no País para 2026 e pediu um basta aos “recadinhos”, ao comentar sobre a crise entre os poderes provocada pelo presidente Jair Bolsonaro nos últimos dias, com ameaças à realização de eleições em 2022

"Basta. Acho que é hora de basta de recadinhos, de tuítes. Ninguém vai dar suporte a uma aventura desse tipo. Ninguém, nem a Câmara, nem ninguém. Então vamos tratar do que é concreto. Pandemia e emprego", disse.

Lira foi um dos últimos chefes de poder a comentar o assunto em uma postagem na internet neste sábado, 10, em que falou sobre a força das instituições, oportunismo e responsabilidade. Após a publicação, em entrevista à CNN Brasil, o deputado disse que a Câmara não tem compromisso com nenhum tipo de ruptura política. 

“Eu cautelosamente esperei todo o dia de ontem para não ser tachado como eu tachei diversas posicionamentos de oportunista, porque, na realidade, são. Nós temos de ter rigor nas nossas atuações, serenidade, trazer o debate para o centro. Esse debate está muito polarizado. Eu não defendo o ativismo de poder nenhum, nem do Legislativo nem do Judiciário muito menos do Executivo e dos ministérios agregados”, disse Lira. 

Ele afirmou que a presidência da Câmara tem compromisso com a democracia. “Não tem compromisso com nenhum tipo de ruptura política institucional, democrática, com qualquer insurgência de boatos, qualquer manifestação desapropriada”.

Mais cedo, no Twitter, Lira escreveu que as instituições não serão abaladas com "oportunismo". “Nossas instituições são fortalezas que não se abalarão com declarações públicas e OPORTUNISMO. Enfrentamos o pior desafio da história com milhares de mortes, milhões de desempregados e muito trabalho a ser feito”. Segundo ele, "oportunista" é “todo aquele que usa da sua prerrogativa para ser aproveitado ou se aproveitar de um momento de crise para fazer valer a sua opinião”.

Na entrevista, Lira falou também sobre os militares. “Nenhum ministro, principalmente destes três ministérios (Exército, Aeronáutica e Marinha) tem que estar exprimindo sentimentos políticos com relação essa ou aquele posicionamento”, disse. “Eu acho que nós deveremos ter várias matérias legislativas que deverão ser encaminhadas no plenário do Congresso Nacional que delimitem essas situações”. 

Ele voltou a rechaçar a possibilidade de abertura de um processo de impeachment contra Bolsonaro. "Não temos condição de um impeachment para esse momento. O Brasil não deve se acostumar a desestabilizar a política em cada eleição. Não podemos fazer isso. Precisamos, talvez, alterar o sistema do Brasil para um parlamentarismo", disse.

Lira disse também querer debater para, a partir de 2026, uma homogenização dos regimes políticos, como um regime de semipresidencialismo. "Nesse regime, se for o caso, é muito menos danoso que caía um primeiro-ministro do que um presidente. Quando um presidente cai, assume um vice que pode não estar alinhado com as propostas do eleito. Como alternativa, talvez isso seja mais simples", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.