Edilson Rodrigues|Agência Senado
Edilson Rodrigues|Agência Senado

Lira afirma haver 'interferências externas' na decisão da CCJ

Senador paraibano defende votação dentro Comissão de Constituição e Justiça contra preferência de Renan por Edison Lobão para a presidência do colegiado

Isabela Bonfim e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2017 | 15h01

BRASÍLIA - O senador Raimundo Lira (PMDB-PB) afirmou que não vai abrir mão de disputar a vaga de presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mesmo com toda a pressão de Renan Calheiros (PMDB-AL) e outros caciques do PMDB para indicar Edison Lobão (MA), que é investigado na Lava Jato. Lira deu a entender que a disputa dentro da bancada estaria contaminada e afirmou que é possível ainda que Renan, como líder, nem sequer o indique para compor o colegiado. 

"Eu não vou aceitar que seja feita votação dentro da bancada do PMDB, porque há interferências externas nessa decisão. Ou o líder faz a sua indicação, ou a decisão deve ser feita da forma correta, pelo voto dentro da CCJ", afirmou Lira.

O senador havia acabado de chegar para a reunião do PMDB que deve, por fim, definir o indicado para o cargo, após impasse dentro do partido. Ele demonstrou pouco otimismo com a disputa e não quis entrar em detalhes sobre quais seriam as "interferências externas" que operam para que Lobão seja o presidente da CCJ.

O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), também presente, ironizou a presença de assessores, funcionários e jornalistas na porta da liderança do PMDB. "O que vocês estão esperando? Ainda não sabem que o presidente da CCJ vai ser o Lobão?", disse entre risos. 

O ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), e até mesmo o ex-presidente José Sarney trabalham para que Lobão assuma a CCJ. Nessa terça-feira, 7, o senador já havia dito a interlocutores que se sentia confiante com o apoio da bancada. 

Candidatura avulsa. Uma outra opção é que a decisão do presidente da CCJ seja definida em votação dentro do colegiado, com a participação dos senadores indicados pelos demais partidos e não somente do PMDB. Lira conta com essa oportunidade para se lançar na disputa mesmo contra a vontade dos caciques peemedebistas. 

Entretanto, para disputar a presidência, Lira precisaria fazer parte da comissão. Assim como a indicação da presidência, a escolha dos demais nomes do PMDB que irão fazer parte do colegiado também cabe a Renan. "Como líder, ele pode decidir até mesmo não me indicar para a CCJ", disse Lira. O senador nega, entretanto, que tenha recebido qualquer ameaça nesse sentido. Lira poderia ainda tentar uma vaga na comissão como membro avulso, ou herdar a vaga de alguma outra bancada que queira ceder o posto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.