Lins recebe notificação de processo que pede sua cassação

Agora, deputado estadual tem cinco dias para apresentar sua defesa ao Conselho de Ética da Alerj

da Redação

13 de junho de 2008 | 16h58

O deputado estadual  Álvaro Lins recebeu notificação do Conselho de Ética da Alerj nesta sexta-feira, 13, sobre o processo que pede a sua cassação, informou sua assessoria ao estadao.com.br. Lins foi preso há duas semanas pela Polícia Federal, na Operação Segurança Pública, acusado de corrupção, lavagem de dinheiro, facilitação ao contrabando e formação de quadrilha armada, mas já está em liberdade.Agora, ele tem cinco dias úteis para apresentar sua defesa ao conselho.   Veja também: PF vê elo entre Álvaro Lins e milícias Entenda a Operação Segurança Pública, que envolve Garotinho PF cumpre mandado de busca na casa do ex-governador PF prende ex-chefe de polícia do RJ; MP denuncia Garotinho   Depois da renúncia da deputada Aparecida Gama (PMDB), na quarta-feira, a Alerj escolheu um novo relator para o caso. Com a desistência da deputada, que havia sido escolhida por sorteio ontem diante da relutância dos membros do conselho em assumir a tarefa, o cargo foi entregue ao deputado estadual Audir Santana (PSC).Ele foi escolhido pelo presidente da comissão, Paulo Melo (PMDB), que chegou a cogitar relatar o caso ele mesmo. Audir, que não tinha se oferecido por estar prestes a iniciar campanha à prefeitura de Itaboraí (RJ), afirmou que não poupará esforços para abreviar o processo contra Lins, que tem prazo oficial de 90 dias. Com o impasse em torno da escolha do relator, o deputado estadual André Corrêa (PPS) chegou a se oferecer para exercer a função. No entanto, como não é membro do Conselho de Ética, a proposta dele não foi aceita por Melo. A decisão do presidente só foi tomada após uma conversa reservada entre os deputados numa sala. Melo indicou a si mesmo como sub-relator.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.