Lindberg Farias será o candidato do PT do Rio para o Senado

Prefeito de Nova Iguaçu foi escolhido em eleição interna e derrotou a ex-governadora Benedita da Silva

Alfredo Junqueira, da Agência Estado

28 de março de 2010 | 22h46

O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias, venceu a eleição interna do PT do Rio para a escolha do candidato do partido à disputa de uma das vagas ao Senado. Ele derrotou a secretária estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Benedita da Silva, na prévia que mobilizou neste domingo, 28, pouco mais de 30 mil filiados. O PT ainda não havia finalizado a totalização dos votos até as 20h, mas as projeções indicavam que Lindberg venceria com 70% dos votos. Com a vitória, Lindberg será o nome do PT na chapa majoritária que vai apoiar a reeleição de Sérgio Cabral (PMDB).

 

"A vitória de hoje foi muito importante para o processo de construção de candidatura e para a vitória na eleição de outubro. Disputar uma prévia do PT e ter a votação que eu tive contra uma candidata com o nome que tem a Benedita é uma demonstração de força. Estou muito animado. Até porque sou o único candidato que consegue ter votos na área popular e na classe média", comemorou Lindberg, que vai na segunda-feira, 29, a Brasília para participar da solenidade de lançamento da segunda edição do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Sua renúncia à prefeitura de Nova Iguaçu deve ocorrer na quarta-feira.

 

A derrota de Benedita é mais um revés na sua carreira política. Governadora do Rio, em 2002, e ministra de Ação Social no primeiro mandato do presidente Lula, entre 2003 e 2006, Benedita enfrentou problemas na administração do Estado que recebeu de seu antecessor, Anthony Garotinho, com problemas financeiros, e deixou o governo federal em uma crise aberta quando se tornou pública sua visita em caráter oficial à Argentina para participar de um evento religioso que nada tinha a ver com sua pasta. Com a eleição do Cabral, virou secretária, mas, com pouco orçamento e gestão esvaziada, teve desempenho apagado. A derrota deste domingo deixa a ex-ministra em situação delicada. É provável que ela dispute uma vaga na Câmara dos deputados.

 

A direção do PT comemorou a mobilização de sua militância na votação. Animado, o presidente regional da legenda, deputado federal Luiz Sérgio, afirmou que poderia sugerir a Cabral para que convidasse o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, para ser seu candidato a vice.

 

Com isso, segundo Luiz Sérgio, a candidatura do peemedebista poderia neutralizar o discurso ecológico da chapa do pré-candidato do PV ao governo, deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ). Mas é muito pouco provável que Cabral abra mão de seu vice e principal auxiliar, Luiz Fernando de Souza, o Pezão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.