Lina nega ter procurado jornal para falar sobre encontro

A ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira disse que não tomou a iniciativa de informar ao jornal "Folha de S.Paulo" sobre o pedido da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, em relação à investigação sobre a situação fiscal de Fernando Sarney. Segundo ela, o repórter que a procurou já tinha a informação e queria apenas a sua confirmação. Ela repetiu que não se sentiu pressionada com o pedido da ministra, mas interpretou como sendo uma solicitação para resolver as pendências e encerrar a fiscalização. Lina contou que o processo foi iniciado em 2007, em um trabalho conjunto entre Receita, Ministério Público (MP) e Polícia Federal (PF), e acrescentou que ele corre em segredo de Justiça.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

18 de agosto de 2009 | 13h29

Lina contou também que, antes do pedido de Dilma, a Receita recebeu solicitação do Judiciário para que acelerasse a fiscalização e que o órgão já estava cumprindo este pedido. Ela disse que o número de fiscais envolvidos no processo não era suficiente e que, por isso, o próprio Judiciário reiterou o seu pedido de agilidade. O senador Agripino Maria (DEM-RN) disse ser estranho uma autoridade do governo ter chamado de forma inédita a secretária da Receita para tratar de assuntos políticos, já que a própria Justiça já havia pedido celeridade. Agripino perguntou a Lina por que Dilma teria feito aquele pedido. "Eu não posso responder pela ministra. Na fiscalização, a Receita trabalha com critério subjetivos e impessoais."

A ex-secretária disse ainda não saber o dia e o horário em que o suposto encontro com Dilma ocorreu. "O encontro não constou das agendas oficiais. A Erenice (Guerra, secretária-executiva da Casa Civil) me pediu para que fosse à Casa Civil. Estou aqui com a minha palavra e tem a palavra da ministra. Mas não estou aqui para falar mentira", acrescentou. Lina repetiu que não considera que a agenda marcando o encontro seja uma prova. Disse que esteve sozinha com Dilma na sala, mas lembrou que passou por outros lugares no Palácio do Planalto antes de chegar ao gabinete de Dilma e que o Planalto deve ter algum registro. Contou ainda que informou apenas à sua secretária que estaria indo à Casa Civil.

Tudo o que sabemos sobre:
LinajornalencontroDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.