Limite de isenção da cobrança de inativos pode mudar, diz deputado

O deputado Paulo Bernardo (PR), da ala do PT considerada majoritária e mais afinada com o governo, afirmou hoje que o limite de isenção para a cobrança previdenciária dos inativos previsto na proposta do governo pode ser alterado no Congresso. A proposta, que teve o apoio dos governadores, prevê a taxação dos inativos em 11% sobre o que exceder R$ 1.058. ?Existe a possibilidade de se mudar o valor. Ele pode chegar ao valor do teto?, afirmou Bernardo. A proposta fixa o teto da aposentadoria em R$ 2.400. O deputado prevê muita discussão na bancada, mas acredita que haverá acordo para se aprovar a taxação dos inativos. Para Paulo Bernardo, o importante é fazer valer o conceito da cobrança, mesmo que o limite de isenção seja alterado. O deputado ressaltou que a reforma da Previdência vai permitir que mais trabalhadores sejam incluídos no sistema. Segundo Bernardo, 54% da população economicamente ativa está fora da Previdência. Veja o índice de notícias sobre as reformas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.