Ligação de ACM teria tranqüilizado Regina

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) informou que conversou hoje duas vezes, pelo telefone celular, com a ex-diretora do Prodasen, Regina Célia Borges. Na primeira conversa, às 8h30, Suplicy disse que procurou tranqüilizar Regina para uma eventual acareação com os senadores Antônio Carlos Magalhães e José Roberto Arruda. A sua impressão, revelou, é de que ela ainda estava insegura.No segundo contato, feito durante o depoimento de Arruda, Suplicy disse que ela aceitara a acareação porque considerava fundamental. Regina contou a Suplicy que ACM telefonou para ela já com a lista de votação na mão. Segundo ele, a ex-diretora do Prodasen sentiu-se aliviada pois foi um sinal de que Antônio Carlos "realmente havia pedido para fazer a violação". Segundo Suplicy, Regina Borges disse que entendeu como agradecimento o telefonema e confirmou que ACM pediu para que ela ficassem tranqüila porque não iria acontecer qualquer represália.Suplicy concluiu que esse telefonema foi fundamental para deixar claro que ACM tinha consciência que o trabalho tinha sido realizado por ela. Na segunda conversa, Regina confirmou que tinha conversado com o senador Arruda às 10h05 da manhã no dia da cassação do ex-senador Luiz Estevão. Regina informou a Suplicy que esta conversa telefônica foi breve e ela teria dito que havia feito o que ele pedira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.