Líderes governistas divergem sobre formas de cobrança de inativos

O único ponto de divergência apresentado hoje pelos líderes do bloco governista no Senado ao ministro da Previdência Social, Ricardo Berzoini, foi a forma de instituição da contribuição dos servidores públicos aposentados. A informação é do líder do PT no Senado, Tião Viana (AC). Segundo ele, ninguém discorda que o inativo deve dar a sua contribuição, e o que se discutiu foi a forma de como isso deve ser feito. Viana disse ainda que foram discutidas políticas de compensações para os servidores, como aumento salarial e também formas para assegurar a cobrança da dívida do INSS. Viana disse que não haverá êxito na reforma da Previdência se não houver uma reforma no Judiciário que assegure agilidade na cobrança das dívidas. Ainda sobre a taxação dos inativos, foi apresentada a Berzoini uma proposta de se taxar apenas os servidores públicos aposentados nos Estados. Segundo Viana, Berzoini defendeu a proposta original do governo, com a taxação dos inativos da União, mas o próprio ministro admitiu que não pode impor a ninguém que não se discuta, no Congresso, uma proposta como essa. Viana, assim como os líderes dos partidos que integram o bloco de apoio ao governo no Senado, tomaram café da manhã com o ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, para discutir a reforma da Previdência. Berzoini saiu da reunião sem falar com a imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.