Líderes e presidente da Câmara defendem votação

Apesar do tema polêmico, líderes de bancadas e o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), acham que o plenário deve votar os projetos que dão estabilidade a servidores demitidos e efetivam temporários. Chinaglia afirmou, porém, que a votação não é prioritária e não há data para entrar na pauta. "O que não pode é a Câmara ficar com assuntos que não são deliberados."Para Chinaglia, que ontem recebeu de Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) a Medalha Defesa Civil Nacional, a aprovação da estabilidade para servidores não concursados é "difícil", a que efetiva temporários é "muito difícil" e a que beneficia os requisitados por outros órgãos é "quase impossível". O líder do governo, José Múcio Monteiro (PE), foi mais longe: "O governo manterá posição contrária ao projeto e de defesa do concurso público."O líder do DEM, Onyx Lorenzoni (RS), disse que seu partido não dará votos aos projetos. O do PSDB, Antonio Carlos Pannunzio (SP), avalia que sua bancada pode apoiar apenas a estabilidade dos servidores. O do PT, Luiz Sérgio (RJ), quer a discussão de uma saída para os funcionários temporários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.