Líderes do Senado rejeitam CPI para Jader

O colégio de líderes do Senado rejeitou hoje a proposta dos partidos de oposição de instalar uma CPI exclusiva para investigar as denúncias contra o presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA). Segundo o líder do bloco de oposição, José Eduardo Dutra (PT-SE), embora não tenha havido consenso, os partidos de oposição poderão ter a iniciativa de insistir no pedido de CPI, tentando recolher assinaturas individuais dos senadores da base governista.Ficou decidido na reunião que o colégio de líderes irá ao Procurador Geral da República, Geraldo Brindeiro, e ao diretor-geral da Polícia Federal, Agílio Monteiro, cobrar a conclusão da investigação do caso do uso de Títulos da Dívida Agrárias (TDAs) falsos até o final de julho.O processo será acompanhado pelo corregedor do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), juntamente com outros dois senadores que serão indicados. O conselho decidiu também aprovar na próxima semana o requerimento de quebra do sigilo bancário das pessoas envolvidas na suposta fraude das TDAs, exceto o do presidente do Senado.Ficou definido também que até o final da próxima semana os partidos irão indicar e o Senado irá eleger os novos integrantes do Conselho de Ética, pois a composição atual tem mandato até o dia 30. O colégio decidiu dar início à tramitação do requerimento, solicitando ao Banco Central todos os relatórios envolvendo supostas fraudes no BanPará. Não houve acordo, no entanto, sobre a aprovação desse requerimento.Na primeira semana de agosto, o colégio de líderes volta a se reunir para fazer um balanço dessas iniciativas. Segundo o líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL), o maior consenso da reunião de hoje foi a necessidade de esclarecer todas as denúncias envolvendo Jader Barbalho. "O presidente do Congresso não pode ficar refém de uma névoa (de denúncias) que não acaba nunca", disse Calheiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.