Líderes do governo e oposição discutem crise no Senado

Senadores avaliam que crise ameaça sair do controle e se reúnem no gabinete de Sérgio Guerra

Christiane Samarco, da Agência Estado,

04 de agosto de 2009 | 12h22

Líderes e dirigentes de partidos no Senado - governistas e oposicionistas - se reuniram no gabinete do presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE). Depois do confronto de segunda-feira, 3, no plenário, entre o senador Pedro Simon (PMDB-RS) e os defensores da permanência do senador José Sarney na presidência da Casa, os líderes concluíram que é necessário um diálogo para administrar a crise, que ameaça sair de controle.

 

Veja também:

video O bate boca entre Renan Calheiros e Pedro Simon

video Fernando Collor manda Pedro Simon engolir o que disse

linkSarney diz que ação contra 'Estado' foi decisão de seu filho

linkPossibilidade de deixar cargo 'não existe', diz presidente

 

Além de Simon, um dos principais defensores da renúncia de Sarney, e de Guerra, participam da reunião os líderes do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), e do PT, Aloizio Mercadante (SP), o líder do DEM, José Agripino (RN), o ex-líder do PSB Renato Casagrande (ES), e os senadores Tasso Jereissatti (PSDB-CE), Tião Viana (PT-AC), Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE) e Demóstenes Torres (DEM-GO).

 

Está sendo aguardado o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), que também prega a renúncia de Sarney e apresentou denúncias contra ele no Conselho de Ética acusando-o de envolvimento em irregularidades.

 

Mercadante, ao chegar ao gabinete de Guerra, afirmou que a posição da bancada de senadores do PT continua a mesma: "Nossa avaliação é de que a licença (de Sarney do cargo de presidente) é a melhor solução, e nenhum senador (petista) pediu para reavaliar essa posição."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.