Líderes do DEM defendem que Kassab dispute reeleição

Os principais líderes do Democratas (DEM) reforçaram o apoio do partido às pretensões políticas do atual prefeito Gilberto Kassab, que deseja disputar a reeleição da capital paulista, e descartaram qualquer possibilidade de que ele saia como vice de uma chapa encabeçada pelo ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). Em reunião realizada hoje em São Paulo, embora tenham negado discussões a respeito da provável candidatura de Kassab à reeleição, os líderes fizeram questão de ressaltar o desejo de manter a aliança com o PSDB com vistas à eleição presidencial de 2010.O prefeito do Rio de Janeiro, César Maia, foi um dos maiores entusiastas da candidatura de Kassab. "Se vocês acompanharem a curva de crescimento dele, tanto em matéria de avaliação quanto de intenção de voto, é um crescimento sustentado", disse ele, citando que a mesma opinião é compartilhada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Maia avalia que uma eventual candidatura de Alckmin para a Prefeitura de São Paulo seria de alto risco. "O eleitor médio sempre faz um raciocínio prático: como uma pessoa que chegou a uma posição tão alta vai ter motivação para estar numa posição menor?", questionou. "Do outro lado, há um prefeito que, unanimemente, todos entendem e acham que tem feito uma excelente Prefeitura, que cresce, ascende, já se aproxima da Marta (Suplicy) no primeiro turno e que a vence no segundo turno. Será que vale a pena correr esse risco?", acrescentou.O prefeito do Rio garante que Kassab respeitaria uma negociação entre PSDB e DEM para que Alckmin abrisse mão da Prefeitura de São Paulo em 2008 e aguardasse a eleição para o governo de São Paulo em 2010. "A candidatura dele para governador é nomeação, não é eleição. Não há adversários para Alckmin em 2010. Então, vale a pena antecipar isso, principalmente conhecendo o prefeito Kassab em relação à sua história e trajetória de cumprimento dos compromissos?", avaliou. "O que nós queremos, principalmente reconhecendo a força e hegemonia do PSDB no Estado de São Paulo, é garantir a permanência dessa hegemonia, e fazer uma chapa vitoriosa, que é Kassab hoje e Alckmin amanhã. A taxa de risco que vale a pena é ganhar as duas eleições", disse.O deputado Rodrigo Maia (RJ), presidente nacional do DEM, descartou qualquer possibilidade de Kassab sair em uma chapa encabeçada por Alckmin. Mas ele disse que o partido pretende manter a aliança com o PSDB em São Paulo e ressaltou que ainda é cedo para que as discussões entre os partidos sejam encerradas. "A aliança virá se todos entenderem que é o melhor caminho para os dois partidos e para a cidade de São Paulo. Nossa vontade é que a aliança permaneça", disse. Kassab foi o único que não falou abertamente sobre o assunto. Ele disse que os líderes do DEM se reuniram para discutir a conjuntura nacional e evitou polemizar sobre a disputa na capital paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.