Líderes decidem que CPI do Banestado será mista

Os líderes partidários decidiram criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista para apurar as denúncias de remessas ilegais de US$ 30 bilhões ao Exterior por meio de contas CC-5, depositados principalmente em conta do Banestado em Nova York. A informação sobre criação de uma comissão formada por deputados federais e senadores foi dada pelos líderes do PSB e do PPS na Câmara, respectivamente deputados Eduardo Campos e Roberto Freire. Para investigar o mesmo assunto, já foi criada na Câmara dos Deputados uma CPI, que agora deverá ser incorporada à comissão mista. Eduardo Campos afirmou que ainda há divergência entre os líderes partidários quanto à indicação dos parlamentares que vão ocupar os cargos de presidente e relator da comissão. O PFL quer indicar o relator, mas é provável que essa função fique com um parlamantar do PT, por ser o maior partido da Câmara. A presidência deve ficar com um senador tucano. Uma nova reunião foi marcada para o final da tarde desta terça-feira. A comissão será formada por 16 deputados e 16 suplentes e por 16 senadores e 16 suplentes. As assinaturas para o requerimento de abertura da comissão mista devem ser recolhidas ainda hoje. A previsão é a de que amanhã, às 9 horas, o presidente do Congresso, senador José Sarney (PMDB-AP), anuncie, em sessão conjunta do Senado e da Câmara, declare criada a CPM, que seria instalada ainda à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.