Líderes da oposição exigem renúncia de ministro e autoridades

Líderes da oposição exigiam naquarta-feira a renúncia do ministro da Defesa, Waldir Pires, edas autoridades do setor aéreo depois do acidente com um AirbusA320 do vôo 3054 da TAM em Congonhas, que pode ter matado 190pessoas. "Liberar uma pista que não está em condições é igual aassassinato. São assassinos", disse Onyx Lorenzoni (RS), líderdo DEM, ex-PFL, na Câmara dos Deputados. "Eles mostraram suaincompetência e deveriam enfrentar processo criminal e ir paraa cadeia." Ele defendeu como "imprescindíveis as renúncias de Pires edos presidentes da Infraero, tenente-brigadeiro José CarlosPereira, e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), MiltonZuanazzi. Na noite de terça-feira, o Airbus que vinha de Porto Alegrepassou por cima da avenida Washington Luís, zona sul de SãoPaulo, antes de se chocar com dois prédios e um posto degasolina, após tentar pousar em Congonhas. A pista principal do aeroporto de Congonhas foi reformadarecentemente e entregue sem as ranhuras (grooving) queajudariam a escoar a água. O acidente da TAM superou a tragédiacom o Boeing da Gol, em setembro passado e que matou todas as154 pessoas a bordo, como pior desastre aéreo da aviaçãobrasileira. "Todo mundo está assustado", disse o deputado AntonioCarlos Pannunzio, líder do PSDB na Câmara. "Ele (Pires) não temnada mais que fazer no cargo, se é que fez alguma coisa", disseo deputado. O deputado federal Júlio Redecker, do PSDB, estava no aviãoacidentado. Especialistas afirmam que o acidente pode funcionar comocatalisador para a oposição ao presidente Luiz Inácio Lula daSilva, cujo governo já vinha sendo criticado pela crise aéreaque estourou depois do acidente com o Boeing da Gol. "A imagem dele ficará manchada, deve haver algum impactosobre sua popularidade, mas, a julgar pelos índices atuais, oimpacto não deve ser muito grave", disse o consultor políticoCarlos Lopes. Nos últimos meses, apesar da crise aérea, as taxas deaprovação do governo Lula permaneceram praticamente intactas. (Reportagem adicional de Andrei Khalip)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.