Líderes adiam votação do relatório da CPI do Banestado

Os líderes aliados ao governo e da oposição concluíram hoje, depois de uma reunião informal, que o adiamento da votação do relatório da CPI do Banestado para fevereiro é a única saída para garantir a aprovação, antes do recesso parlamentar, de projetos que tratam das Parcerias Público Privadas (PPPs) e do Orçamento Geral da União (OGU) para 2005. Como o Senado marcou sessão deliberativa para amanhã às 10 horas, os líderes recorreram aoregimento interno para adiar a votação do relatório. O regimento proíbe o funcionamento de comissões durante a realização das sessões deliberativas do plenário. Para quarta-feira, eles se comprometema retomar as conversas. Na avaliação dos senadores, a discussão e votação, amanhã, do relatório da CPI do Banestado só serviriam para acirrar os ânimos, prejudicando a agenda.Ausente da reunião de hoje, o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), ficou encarregado de convencer o presidente da CPI, senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT), a não realizar amanhã a reunião da comissão parlamentar, marcada para votar o relatório.Ambos estão em São Paulo. "Se não der para votar o relatório agora, vamos votar em fevereiro", afirmou o líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL). "Não podemos é deixar de votá-lo", acrescentou o líder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.