Líderes acertam distribuição de comissões da Câmara

Linha fina: PT fica com a Constituição e Justiça, considerada a mais importanteOs líderes partidários fizeram, em reunião com o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), a distribuição das presidências das comissões permanentes da Casa. O PT, maior partido, ficou com a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), considerada a mais importante da asa, porque todas as propostas passam por ela e as propostas de emenda constitucional podem ser aprovadas ou rejeitadas preliminarmente pela CCJ. Escolheu ainda, além dela, as de Educação e de Direitos Humanos.O líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse que não houve problemas, para o governo, na escolha das comissões. Ele ressaltou que, além da CCJ, era importante manter a presidência da comissão de Finanças e Tributação nas mãos da base aliada. Esta ficou com o PMDB, que também escolheu presidir as Comissões de Turismo e Desporto e de Transportes.O PFL escolheu as Comissões de Agricultura, Ciência e Tecnologia, bem como a de Meio Ambiente. O PSDB vai presidir a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio e a de Minas e Energia.O PP ficou com as presidências das Comissões de Desenvolvimento Urbano e de Seguridade Social. O PL escolheu as Comissão de Trabalho e da Amazônia e Integração Nacional.O PTB ficou com as Comissões de Defesa do Consumidor e Segurança Pública. O PSB, aliado do governo, ficou com a presidência da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle; o PDT, com a de Relações Exteriores e o PPS, com a Comissão de Legislação Participativa.Agora, os líderes partidários têm prazo até 14 de março para indicar os integrantes de suas bancadas para as comissões, que deverão eleger seus presidentes e vices no dia 15 do mesmo mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.