Líderes aceitam votar proposta do governo para saúde

Em reunião hoje na casa do presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), os líderes da base aliada concordaram em votar a proposta feita pelo governo ao projeto que regulamenta os recursos para a saúde. Além dos líderes participaram também os ministros da Fazenda, Guido Mantega e da Saúde, José Gomes Temporão. A proposta prevê um acréscimo de R$ 23 bilhões para o setor, de forma escalonada, nos próximos quatro anos. Os recursos viriam do aumento do porcentual destinado à saúde dentro da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Os líderes da base vão tentar convencer a Frente Parlamentar da Saúde e a intenção é votar a proposta na sessão de hoje na Câmara. Chinaglia marcou uma reunião com todos os líderes antes da sessão para discutir a votação. Pela proposta, o governo concorda em repassar para o setor R$ 3,6 bilhões em 2008, R$ 4,4 bilhões em 2009, R$ 6 bilhões em 2010 e R$ 9 bilhões em 2011.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.